Rolou na 3ª: Greenwald na mira do MPF e instabilidade no Sisu

Davos: Guedes diz que economia nacional crescerá 2,5% em 2020 e destaca que o grande inimigo do meio ambiente é a pobreza

Igo Estrela/Metrópoles

atualizado 21/01/2020 21:39

Nesta terça-feira (21/01/2020), o Ministério Público Federal (MPF) causou surpresa – e polêmica – ao denunciar, no âmbito da Operação Spoofing, o jornalista Glenn Greenwald, cofundador e colunista do site The Intercept Brasil – embora ele não tenha sido investigado nem indiciado pela Polícia Federal.

Junto com outras seis pessoas, Greenwald é acusado de crime por invasão a celulares de autoridades brasileiras. O atual ministro da Justiça, Sergio Moro, foi um dos alvos das invasões e da série de reportagens Vaza Jato, assim como o coordenador da Operação Lava Jato em Curitiba, Deltan Dallagnol.

São apontadas prática de organização criminosa, lavagem de dinheiro e as interceptações telefônicas feitas pelos investigados. Para o MPF, ficou comprovado que o jornalista auxiliou, incentivou e orientou o grupo criminoso durante o período das invasões.

Também nesta terça, começaram as inscrições para o Sistema de Seleção Unificada (Sisu), após o Ministério da Educação (MEC) indicar que o erro na correção das provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2019 foi sanado.

No entanto, vários candidatos foram às redes sociais relatar instabilidade no site do Sisu. Segundo algumas das queixas, a página informa que as inscrições foram encerradas ou que não há nota de corte para o curso escolhido.

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, chegou a afirmar nas redes sociais que o sistema estava “rodando normalmente”. Porém, em comunicado, o MEC confirmou que as inscrições enfrentam lentidão. “A instabilidade ocorre devido ao grande número de acessos”, informou a pasta. A expectativa é de que o serviço se normalize em breve.

Veja mais:

Relembre outras notícias:

Últimas notícias