Abraji: “Denúncia contra Greenwald viola liberdade de imprensa”

Para a entidade, a acusação contra o jornalista é uma "interpretação distorcida" de conversas entre ele e a fonte de informações

Igo Estrela/Metrópoles

atualizado 21/01/2020 16:45

A Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) defendeu, nesta terça-feira (21/01/2020), o jornalista Glenn Greenwald e criticou a denúncia do Ministério Público Federal (MPF) apresentada contra ele. Para a entidade, a iniciativa “viola a liberdade de imprensa”.

Em nota, a associação afirmou que, em nenhum momento, Glenn buscou “subverter a ideia de proteção a fonte jornalística em uma imunidade para orientação de criminosos”, como afirma o procurador Oliveira. “O jornalista não diz que o grupo deve apagar mensagens para evitar ser pego pelas autoridades”, continua a manifestação.

Segundo a Abraji, a denúncia contra Glenn é “baseada em uma interpretação distorcida das conversas do jornalista com sua então fonte” e “tem como único propósito constranger o profissional”.

“É um absurdo que o Ministério Público Federal abuse de suas funções para perseguir um jornalista e, assim, violar o direito dos brasileiros de viver em um país com imprensa livre e capaz de expor desvios de agentes públicos”, finaliza a nota.

Entenda
Mais cedo, o cofundador e colunista do site The Intercept Brasil, Glenn Greenwald, foi denunciado pelo MPF, mesmo sem ser investigado, por suposto envolvimento na invasão de celulares de autoridades. As mensagens foram divulgadas e intituladas de “Vaza Jato“.

Na denúncia, consta que o jornalista auxiliou, incentivou e orientou o grupo criminoso durante o período das invasões.

Últimas notícias