metropoles.com

Experts culpam Harry pelo fim da monarquia quando a rainha morrer

Para especialistas reais, a monarquia continuará somente enquanto a rainha estiver viva. Meghan e Harry serão culpados pelo fim da Coroa

atualizado

Compartilhar notícia

Chris Jackson/Getty Images
Rainha Elizabeth e príncipe Harry
1 de 1 Rainha Elizabeth e príncipe Harry - Foto: Chris Jackson/Getty Images

A série de dramas familiares da realeza abriu os olhos dos especialistas reais para a seguinte questão: a monarquia britânica pode acabar? Segundo a autora Anna Pasternak, a resposta é sim e, caso a situação se concretize futuramente, os culpados de colocar um fim na “Coroa” mais famosa do mundo são os duques de Sussex, o príncipe Harry e Meghan Markle, de acordo com o jornal The Mirror.

Em declaração ao tabloide britânico, Pasternak expôs que as consequências da briga pública entre o casal e a Coroa “desencadeou algo profundamente incendiário na Grã-Bretanha”. Em janeiro de 2020, Meghan e Harry anunciaram a saída da família real para buscar a independência. Dois meses depois, eles se mudaram para o Canadá e, em seguida, fixaram-se de vez nos Estados Unidos.

Um ano se passou até que os duques de Sussex decidissem contar o lado deles da história em uma entrevista polêmica concedida à apresentadora Oprah Winfrey. Em março, a dupla rompeu totalmente com a realeza, e a avó paterna de Harry, a rainha Elizabeth, chegou a retirar os títulos militares do neto. No ponto de vista da especialista, a rivalidade do casal com os familiares pode “derrubar” a monarquia e, quem sabe, promover uma dança das cadeiras na sucessão do trono britânico.

0
Turbulência

Instantaneamente após a morte da atual soberana, quem ascende ao posto é o príncipe Charles, primeiro filho da rainha e do duque de Edimburgo, Philip. Entretanto, devido às últimas “bombas” lançadas pela ruptura dos Sussex, o início do reinado do primogênito de Elizabeth pode ser adiado — ou até mesmo cancelado. Na entrevista, Harry e Meghan alegaram que um integrante da família real cometeu racismo ao questionar o “quão escura” seria a pele do filho do casal, Archie, atualmente com 1 ano.

O casal Sussex preferiu não comentar a identidade do membro da realeza que fez o comentário racista. Dias depois, a imprensa revelou que se tratava da princesa Anne, tia de Harry. Neto e filha da rainha Elizabeth se encontraram no funeral do príncipe Philip, no sábado (17/4). A imprensa, inclusive, acusou Anne de desprezar o sobrinho na cerimônia fúnebre realizada no Castelo de Windsor. Foi a primeira vez que os dois ficaram cara a cara desde as queixas.

Príncipe Harry, Meghan Markle e princesa Anne
Príncipe Harry, Meghan Markle e princesa Anne
Futuro de Charles

Escritora do livro a Princesa Apaixonada, em referência à Lady Di, Anna Pasternak acredita que não está “100% certa” do futuro de Charles como líder da monarquia britânica. “Pode ser que haja uma onda de opinião pública contra [Charles] e a Coroa considere preferível que William ascenda, porque é mais jovem, mais identificável”, disse a autora à revista Vanity Fair.

“Os Sussexes geraram algo tão fundamentalmente incendiário neste país que está mudando a face da Grã-Bretanha [Inglaterra, Escócia e País de Gales], e acho que a monarquia como uma instituição arcaica pode muito bem cair”, completou Pasternak à revista. Não é só a biógrafa da princesa Diana que compartilha do mesmo posicionamento. Primeira parlamentar negra do Reino Unido, Diane Abbott também manifestou seu ponto de vista à Vanity Fair: “A monarquia como conhecemos durará enquanto a rainha estiver viva”, enfatizou.

Na avaliação de Abbott, quando Elizabeth II morrer, haverá um grande debate público a respeito do futuro da Coroa britânica. “O que a família real e seus conselheiros fizeram com Meghan será parte do argumento para a mudança”, sustentou a política. Caso a discussão chegue ao plenário do Parlamento, ela defenderá uma monarquia “mais escandinava, onde não há tanta pompa e cerimônia”.

Príncipe Charles, William, Kate Middleton, Meghan Markle e Harry
Príncipe Charles, William, Kate Middleton, Meghan Markle e Harry
Desistência

PhD e pesquisador especializado em história britânica, Martin Wiener presume que, sem a rainha Elizabeth II “segurando” os 53 países da Commonwealth of Nations (Reinos da Comunidade das Nações, em tradução do inglês), os Estados-membros desistirão de pertencer à organização. “Seria como: ‘Quem quer Charles como nosso cabeça?’ Estamos presos a Charles”, explicou o especialista.

O ponto de vista de Pasternak, Abbott e Wiener a respeito do príncipe Charles ganha protagonismo dois dias depois de seu filho Harry retornar para casa nos Estados Unidos. De acordo com o The Sun, o duque de Sussex “voltou correndo” para ficar com a mulher, Meghan Markle, grávida de uma menina. Ao The Mirror, uma fonte afirmou sobre pai e filho não terem conversado individualmente.

Charles e Harry chegaram a dialogar, mas na presença do príncipe William e da “pacificadora” Kate Middleton. Em breve, pai e filho ficarão cara a cara novamente e deverão acertar “mais contas”. O duque de Sussex voltará ao Reino Unido em julho para o lançamento de uma estátua da mãe, a princesa Diana, em 1º de julho.

Rainha Elizabeth, Meghan Markle e príncipe Harry
Rainha Elizabeth, Meghan Markle e príncipe Harry
Príncipe Philip e rainha Elizabeth II
Príncipe Philip rodeado pela família
Rainha Elizabeth II
Rainha Elizabeth II acaba de completar 95 anos

Para saber mais, siga o perfil da coluna no Instagram.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNotícias Gerais

Você quer ficar por dentro das notícias mais importantes e receber notificações em tempo real?