Paulo Chagas: “Tem candidato que fica tirando casquinha do Bolsonaro”

O postulante do PRP deu entrevista ao Metrópoles e reclamou de seus concorrentes na campanha ao Buriti que "colam" no presidenciável

Pedro Valente/MetrópolesPedro Valente/Metrópoles

atualizado 28/09/2018 14:00

Na corrida pelo Governo do Distrito Federal, o general Paulo Chagas (PRP) foi entrevistado pelo Metrópoles nesta sexta-feira (28/9). O buritizável, sem nominar, reclamou dos concorrentes ao Palácio do Buriti que colam campanhas à de Jair Bolsonaro, postulante ao Palácio do Planalto pelo PSL. “Eles ficam tirando uma casquinha da imagem dele. E isso me prejudica, já que eles são antigos e eu sou novo na política”, lamentou.

Embora Paulo Chagas seja o candidato oficial chancelado pelo líder das pesquisas presidenciais, os deputados federais Alberto Fraga (DEM) e Rogério Rosso (PSD) já declararam apoio a Bolsonaro. Para o general brasiliense, esse é o principal motivo de ele não deslanchar nas intenções de voto, apesar de a maioria dos brasilienses afirmar que vai votar em Bolsonaro.

Chagas agradeceu a oportunidade dada a ele pelo Metrópoles para expor suas propostas de governo. Disse que vai instituir a meritocracia no serviço público. “Os funcionários públicos hoje são vistos como mercenários, que só trabalham se ganharem bem. Isso não é verdade. Eles precisam de reconhecimento”, pontuou o candidato.

O general acredita que não vai enfrentar resistências por parte dos servidores e sindicatos: “O objetivo é valorizar”. Ainda sobre o funcionalismo público local, explicou que, se eleito, vai pagar a terceira parcela do reajuste e fazer a equiparação salarial da Polícia Civil com a Polícia Federal “dentro das possibilidades do caixa do GDF”. ‘É preciso conhecer primeiro a situação financeira”, ponderou.

O mesmo critério, destacou, será considerado na análise do futuro do Instituto Hospital de Base (IHB): “Seria irresponsabilidade de minha parte acabar com ele sem saber antes como funciona, os resultados que apresenta”.

Confira como foi a entrevista:

 

Perfil
Como general, Paulo Chagas comandou a 7ª Brigada de Infantaria Motorizada de Natal (RN), chefiou o Gabinete do Estado-Maior do Exército (EME), a Seção de Adidos Militares no Brasil e no Exterior e a 5ª Subchefia do Estado-Maior do Exército (Assuntos Internacionais). Coordenou as atividades de delegações do Exército Brasileiro em conferências bilaterais e foi secretário-geral da Conferência dos Exércitos Americanos como 5º subchefe.

O membro da reserva do Exército participou do debate promovido pelo Metrópoles em parceria com sete rádios, na segunda (24). Na ocasião, Paulo Chagas foi questionado sobre suas políticas para mulheres, uma vez que é aliado de Jair Bolsonaro (PSL), candidato à Presidência da República com histórico polêmico de declarações relacionadas ao público feminino.

“Minha intenção não é fazer mais uma delegacia da mulher, é fazer com que as que existem funcionem. Pretendo incluir, em cada delegacia, um setor para atender as mulheres em risco”, respondeu.

Ainda na troca de ideias, o candidato do PRP expôs proposta para o transporte: pagamento das empresas de ônibus levando em consideração os quilômetros rodados, em vez de repassar dinheiro por pessoas transportadas.

Entrevistas
Em agosto, o Metrópoles sabatinou 10 dos 11 candidatos ao Governo do Distrito Federal: Alberto Fraga (DEM), Alexandre Guerra (Novo), Eliana Pedrosa (Pros), Fátima Sousa (PSol), general Paulo Chagas (PRP), Guillen (PSTU), Ibaneis Rocha (MDB), Júlio Miragaya (PT), Renan Rosa (PCO) e Rogério Rosso (PSD).

Nessa nova rodada de entrevistas, já foram entrevistados: Alexandre GuerraEliana PedrosaFátima SousaJúlio Miragaya e Alberto Fraga.

Últimas notícias