Renan Rosa: “Rollemberg reproduz política nacional contra trabalhador”

O postulante do PCO é o segundo a responder à série de perguntas do portal e de entidades sindicais

Vinícius Santa Rosa/MetrópolesVinícius Santa Rosa/Metrópoles

atualizado 20/08/2018 14:46

O candidato do PCO ao Palácio do Buriti, Renan Rosa, foi o segundo sabatinado pelo Metrópoles na manhã desta segunda-feira (20/8). O bancário criticou o atual governo: “Rollemberg reproduz no GDF a política nacional contra os trabalhadores”. O postulante ao Executivo local se referiu ao remanejamento de recursos do Instituto de Previdência dos Servidores do DF (Iprev) e à criação do Instituto Hospital de Base (IHB).

O evento tem transmissão ao vivo, em todas as redes sociais do portal: Facebook, Twitter e YouTube. Renan Rosa responde às perguntas de jornalistas e entidades sindicais que representam os servidores públicos, os bancários e a Central Única dos Trabalhadores (CUT) sobre suas propostas de governo.

O postulante se mostrou mais familiarizado com os temas nacionais do que com os locais. Admitiu não conhecer em profundidade o Programa Distrital de Educação (PDE), que traçou metas para a universalização da educação pública do DF e estabeleceu melhorias de infraestrutura e salariais aos servidores da área até 2024.

Renan Rosa chegou a ser questionado pelo jornalista Hélio Doyle se ele era realmente candidato ao GDF ou se estaria utilizando a campanha para fazer propaganda partidária. Ao responder, o postulante disse que sua legenda não tem tempo de TV e precisa de espaço para divulgar as ideias e defender os sindicatos que representa: “É bem difícil chegar ao Buriti pela via eleitoral com esses grupos dominando o Estado e as demais candidaturas”. A sigla tem 300 filiados no Distrito Federal.

Lula
“Defendemos o governo dos trabalhadores, defendemos o Lula. O Lula é a expressão do trabalhador brasileiro”, afirmou. Para Renan Rosa, a luta dos trabalhadores passa, necessariamente, por um governo do Lula. Porém, ele disse que o seu partido não vai apoiar uma eventual candidatura do petista Fernando Haddad, vice na chapa do PT.

O candidato defendeu a estatização dos serviços públicos, citando como exemplos as escolas e o Instituto Hospital de Base. “Quem pode atender as necessidades fundamentais da população é o Estado comandado pelos trabalhadores”, defendeu Renan Rosa, ao clamar a mobilização popular.

Renan Rosa é bancário, economista e já participou da disputa anteriormente, em 1998. Ele tem 53 anos, é também fundador do PCO e diretor do Sindicato dos Bancários de Brasília. Nesta segunda-feira (20), serão sabatinados ainda outros quatro candidatos. Na terça (21), outros cinco terão a oportunidade de explicar suas propostas para o Distrito Federal.

A sabatina
Antes de Renan Rosa, foi a vez de Alberto Fraga (DEM). Depois, será entrevistado Júlio Miragaya (PT). Em seguida, Ibaneis Rocha (MDB), Alexandre Guerra (Novo) e Fátima Sousa (PSol).

Na terça-feira (21), Eliana Pedrosa (Pros) abre as entrevistas, às 9h. O governador Rodrigo Rollemberg (PSB) vem em seguida, às 10h30. O Metrópoles ainda receberá Antônio Guillen (PSTU), Paulo Chagas (PRP) e Rogério Rosso (PSD).

Dinâmica
A dinâmica da sabatina funcionará da seguinte forma: primeiro, o candidato fará uso da palavra por um minuto para se apresentar. Em seguida, responderá às perguntas elaboradas pelas entidades sindicais patrocinadoras do evento – os questionamentos foram previamente gravados e serão exibidos em um telão.

Por fim, os jornalistas indagarão os postulantes ao Buriti. No total, a conversa terá duração de 1 hora e 15 minutos.

Cronograma das sabatinas 

20/8 – segunda-feira
10h30 – Renan Arruda (PCO)
14h – Júlio Miragaya (PT)
15h30 – Ibaneis Rocha (MDB)
19h – Alexandre Guerra (Novo)
20h30 – Fátima Sousa (PSol)

21/8 – terça-feira
9h – Eliana Pedrosa (Pros)
10h30 – Rodrigo Rollemberg (PSB)
14h – Antônio Guillen (PSTU)
15h30 – Paulo Chagas (PRP)
19h – Rogério Rosso (PSD)

Últimas notícias