Em sabatina, Miragaya promete 30 mil empregos em frentes de trabalho

Candidato ao GDF pelo PT responde a perguntas de sindicatos dos servidores e bancários, da CUT, de jornalistas do portal e internautas

Filipe Cardoso/MetrópolesFilipe Cardoso/Metrópoles

atualizado 20/08/2018 17:05

O candidato do Partido dos Trabalhadores ao Palácio do Buriti, Júlio Miragaya, é o terceiro sabatinado pelo Metrópoles nesta segunda-feira (20/8).

O economista responde a perguntas de sindicatos de servidores do GDF e bancários, da Central Única dos Trabalhadores (CUT), de jornalistas do portal e internautas. O evento tem transmissão ao vivo, em todas as redes sociais do Metrópoles: Facebook, Twitter e YouTube.

Ao responder as perguntas dos sindicatos dos servidores, Miragaya começou prometendo que irá pagar a terceira parcela do reajuste a 32 categorias do funcionalismo local, atrasada desde 2015: “Vai ser de imediato”. De acordo com o candidato, o dinheiro virá do aumento da arrecadação, que ocorrerá com o crescimento da produtividade dos servidores públicos. Disse, ainda, que vai criar frentes de trabalho com 30 mil vagas para reduzir o desemprego em seis meses de governo.

Assista:

 

“O serviço público é vital para mover a economia do DF. Esse recurso vai entrar na roda da economia. Isso vai dar condições para que o governo cumpra seus compromissos, pois vai aumentar a arrecadação”, explicou Miragaya.

“O governo de Rodrigo Rollemberg tem usado o discurso de herança maldita para não cumprir acordos. Ele recebeu o governo com R$ 1,2 bilhão em caixa. Claro que parte desse dinheiro já tinha destino certo. Mas tinha dinheiro”, completou.

Sobre a paridade dos policiais civis com os salários pagos pela Polícia Federa, o petista confirmou a intenção de conceder o reajuste. Mas explicou que precisa de um cronograma para a realização do pagamento. “Tem candidato prometendo que fará isso no primeiro dia de governo, mas não será possível. Não queremos para a Brasília o que ocorreu no Rio de Janeiro”, pontuou, em referência ao atraso de salários.

O postulante petista garantiu que estará aberto ao diálogo com os servidores, o que será feito diretamente pelo seu gabinete. Para ele, todas as propostas são factíveis, desde que haja “boa gestão” dos recursos públicos.

Corrupção
Questionado sobre o fato de o ex-governador Agnelo Queiroz estar sendo investigado no âmbito da Operação Panatenaico, que apura superfaturamento de R$ 900 milhões na obra do Estádio Mané Garrincha e pagamento de propina, Miragaya foi um pouco mais evasivo: “Esse denuncismo está relacionado à criminalização da política. Isso tem a ver com o mercado financeiro, que quer estabelecer o pensamento único”.

O ex-presidente da Codeplan não vê “contradição do governo do PT em tentar um novo mandato. Foi um governo muito superior ao que está aí”.

Emprego e desenvolvimento
Miragaya prometeu a criação de 30 mil postos em frentes de trabalho para reduzir o desemprego no DF. Essas pessoas, de acordo com o candidato, prestariam serviço por seis meses em corte de matos, pintura de faixas de pedestres e meios-fios, reforma de escolas.

Ao responder à pergunta da CUT sobre geração de empregos, o petista afirmou que vai criar o salário mínimo regional no DF.

Ressaltou que não vai dar incentivos fiscais a empresas porque, antes, é preciso garantir infraestrutura: “Não adianta igualar condições com outros estados em termos fiscais se eles nos superam anos-luz. A sinalização é acabar com incentivos fiscais. Se não tem condições de ter infraestrutura, você não consegue atrair investimentos”.

Saúde
Sobre a saúde, Miragaya destacou que vai acabar com o Instituto Hospital de Base e retornar ao modelo anterior de administração. Lamentou o fato de o governo Rollemberg, segundo o postulante do PT, devolver R$ 1 bilhão da saúde ao governo federal por não execução: “É uma incompetência na gestão dos recursos públicos”.

De acordo com o petista, a terceirização facilita a questão de compra de remédios, mas também abre brechas para contratação sem concurso público. “Isso não passa de uma falácia; querer terceirizar porque na gestão privada funciona melhor.”

Educação
Miragaya aunciou que, se eleito, vai construir 50 novas creches.

Chapa pura
O Partido dos Trabalhadores definiu o nome de Júlio Miragaya para concorrer ao Palácio do Buriti em 28 de julho. Ele é o cabeça da chapa ao lado de Cláudia Farinha. Disputam a vaga ao Senado Marcelo Neves e Wasny de Roure. Todos são do PT.

Júlio Miragaya é de um coletivo dentro do PT chamado de Diálogo e Ação Petista. Ele presidiu a Companhia de Planejamento do Distrito Federal (Codeplan) durante a gestão de Agnelo Queiroz (PT) no GDF. Declarou ao Tribunal Regional Eleitoral patrimônio de R$ 1.688.206,75.

Sobre o fato de o partido sair sozinho nas eleições do DF, perdendo aliados históricos, como o PCdoB, o petita surpreendeu: “O PT não está isolado. Conversamos com partidos como o PCdoB e o PDT. Rollemberg ficou com o tempo de TV deles, mas a militância ficou conosco”.

A sabatina
Antes de Miragaya, participaram da sabatina Alberto Fraga (DEM) e Renan Rosa (PCO). Em seguida, os entrevistados serão Ibaneis Rocha (MDB), Alexandre Guerra (Novo) e Fátima Sousa (PSol).

Na terça-feira (21), Eliana Pedrosa (Pros) abre as entrevistas, às 9h. O governador Rodrigo Rollemberg (PSB) vem em seguida, às 10h30. O Metrópoles ainda receberá Antônio Guillen (PSTU), Paulo Chagas (PRP) e Rogério Rosso (PSD).

Dinâmica
A dinâmica da sabatina funcionará da seguinte forma: primeiro, o candidato fará uso da palavra por um minuto para se apresentar. Em seguida, responderá perguntas elaboradas pelas entidades sindicais patrocinadoras do evento – os questionamentos foram previamente gravados e serão exibidos em um telão. Por fim, os jornalistas indagarão os postulantes ao Buriti. No total, a conversa terá duração de 1 hora e 15 minutos.

“O voto representa a voz e a opinião de cada um de nós sobre quais políticas devem ser priorizadas por quem assume a gestão pública nos próximos quatro anos. Façamos deste tão importante momento um marco positivo para toda a sociedade”, ressalta Lilian Tahan, diretora de redação.

A sabatina foi elaborada pelo time do Metrópoles e contou com a participação de diversas entidades sindicais. O Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos de Serviços de Saúde de Brasília (SindSaúde), Sindicato dos Professores do DF (Sinpro), Central Única dos Trabalhadores (CUT), Sindicato dos Policiais Civis do Distrito Federal (Sinpol), Sindicato dos Delegados de Polícia (Sindepo), Sindicato da Categoria dos Peritos Oficiais Criminais (SindiPerícia) e o Sindicato dos Bancários de Brasília preparam perguntas aos candidatos.

Todos os buritizáveis, agora devidamente registrados no Tribunal Regional Eleitoral (TRE), terão a oportunidade de apresentar propostas e demonstrar o que farão para melhorar as condições de vida na capital do país.

A sabatina do Metrópoles ocorre após o portal realizar o primeiro debate dos postulantes ao Executivo local. Na ocasião, havia apenas sete pré-candidatos ao Palácio do Buriti. O número aumentou mesmo após a desistência de Jofran Frejat (PR).

Cronograma das sabatinas 

20/8 – segunda-feira
15h30 – Ibaneis Rocha (MDB)
19h – Alexandre Guerra (Novo)
20h30 – Fátima Sousa (PSol)

21/8 – terça-feira
9h – Eliana Pedrosa (Pros)
10h30 – Rodrigo Rollemberg (PSB)
14h – Antônio Guillen (PSTU)
15h30 – Paulo Chagas (PRP)
19h – Rogério Rosso (PSD)

Últimas notícias