Este é um espaço para celebrar a vida e as pessoas. Viaje comigo nesta aventura!

6 dramas vividos por Harry e Meghan Markle no funeral da rainha

O príncipe viajou às pressas para tentar se despedir da rainha, entretanto, não obteve sucesso. Harry perdeu a avó paterna

atualizado 20/09/2022 17:26

Max Mumby/Indigo/Getty Images

O príncipe Harry e Meghan Markle visitavam instituições de caridade em Londres quando a rainha Elizabeth II morreu, aos 96 anos, no último dia 8. Eles moram nos Estados Unidos. Diante da preocupação dos médicos, o duque de Sussex viajou às pressas a fim de conseguir se despedir da avó ainda com vida, entretanto, não obteve sucesso em razão da monarca estar no Castelo de Balmoral, na Escócia. Ele conseguiu chegar uma hora e meia depois da confirmação do falecimento.

Não se despedir da avó não foi o único drama vivenciado por Harry desde a morte da soberana. Durante o funeral, ele e a esposa passaram por maus bocados, como serem desconvidados para um jantar oferecido pelo próprio pai do príncipe, o rei Charles III, no Palácio de Buckingham. A Coluna Claudia Meireles fez um compilado de seis tretas protagonizadas pelo casal ao longo da estadia pelo Reino Unido. Confira!

Publicidade do parceiro Metrópoles 1
Publicidade do parceiro Metrópoles 2
Publicidade do parceiro Metrópoles 3
0

1. Exclusão

Na data da morte da rainha Elizabeth II, houve um jantar do rei Charles III com o primogênito, o príncipe William, no Castelo de Balmoral, na Escócia. Entretanto, o outro herdeiro do novo monarca, Harry, não recebeu o convite para participar da ocasião. O duque de Sussex compareceu a um evento orquestrado pelos tios e primos na mesma propriedade. Na avaliação do especialista em questões reais Richard Kay, ficou clara uma divisão entre pai e filhos.

O casal não foi convidado para um jantar promovido pelo rei Charles III

2. Uniforme militar

Ao contrário da mãe, a rainha Elizabeth II, o rei Charles III não mexeu os pauzinhos a fim de permitir que o caçula, Harry, usasse uniforme militar na procissão do caixão da falecida monarca do Palácio de Buckingham ao Westminster Hall, na quarta-feira (14/9). O novo soberano não abriu brechas para que o filho desfilasse com traje igual ao do irmão, William.

Harry não pôde usar a vestimenta por não integrar mais a monarquia britânica. Por esse motivo, o duque de Sussex teve de usar um terno no cortejo.

LONDRES, INGLATERRA - 14 DE SETEMBRO: (L-R) Rei Charles III, Príncipe William, Príncipe de Gales e Príncipe Harry, Duque de Sussex andam atrás da carruagem de armas que carrega o caixão da falecida Rainha Elizabeth II quando sai do Palácio de Buckingham, transferindo o caixão ao Palácio de Westminster em 14 de setembro de 2022 em Londres, Reino Unido. O caixão da rainha Elizabeth II é levado em procissão em uma carruagem da tropa real de artilharia do rei, do Palácio de Buckingham ao Westminster Hall, onde ela ficará em estado até o início da manhã de seu funeral. A rainha Elizabeth II morreu no Castelo de Balmoral, na Escócia, em 8 de setembro de 2022, e é sucedida por seu filho mais velho, o rei Carlos III
O duque de Sussex não pôde vestir o traje militar no cortejo

3. Título dos filhos

Com a ascensão de Charles ao comando da Coroa britânica, todos os netos da majestade em exercício passaram a ter o título de príncipe ou princesa. De acordo com as regras estabelecidas pelo rei George V, em 1917, os dois filhos de Harry — Archie e Lilibet —, por serem herdeiros de um filho de um soberano, deveriam ganhar a inicial HRH, ou seja, His ou Her Royal Highness (Sua Alteza Real, em tradução do inglês). Mas o uso da expressão não foi autorizada pela monarquia.

A proibição deixou Meghan e Harry desesperados e enfurecidos, conforme noticiou a imprensa. Como Archie, de 3 anos, e Lilibet, 1 aninho, não dispõem do termo Sua Alteza Real no nome, consequentemente perdem uma série de privilégios. Os três outros netos de Charles, como os príncipes George, Charlotte e Louis, têm as regalias. Entretanto, os filhos dos duques de Sussex não podem usufruir das vantagens porque os pais renunciaram aos deveres no núcleo sênior.

Impedidos de usar a expressão, Archie e Lilibet deixam de ganhar salários como membros ativos da realeza. Outra desvantagem decorrente de não poder utilizar Sua Alteza Real está relacionada à perda de segurança e proteção fornecida pelo governo do Reino Unido. O quesito sempre foi uma das preocupações dos pais das crianças.

Foto colorida. Príncipe Harry, Archie, Meghan Markle e Lilibet Diana
O príncipe Harry, Archie, Meghan Markle e Lilibet Diana no cartão de Natal de 2021

4. Desconvite

Os duques de Sussex foram excluídos do jantar oferecido pelo rei Charles III e pela esposa dele, a rainha consorte Camilla Parker Bowles, no Palácio de Buckingham, nesse domingo (18/9). No evento, o casal à frente do trono recepcionou chefes de Estado e líderes mundiais que confirmaram presença na cerimônia do último dia do funeral de Elizabeth, nessa segunda-feira (19/9).

Segundo o jornal britânico The Telegragh, Meghan e Harry foram “desconvidados” para o compromisso em Buckingham, sede da monarquia. “Dizem que o duque e a duquesa de Sussex receberam um convite no início da semana para o grande evento no palácio”, publicou o portal. O imbróglio envolveu assessores da Coroa. Os profissionais explicaram que só integrantes trabalhadores deveriam comparecer ao jantar. Dessa forma, o casal ficou de fora.

Segundo o jornal britânico, o casal foi “desconvidado” de um jantar no Palácio de Buckingham

5. Remoção de símbolo

O príncipe Harry participou, no sábado (17/9), da vigília de 15 minutos com o irmão, William, e seis primos ao redor do caixão da rainha Elizabeth II. A princípio, o duque de Sussex não iria usar o traje militar, por ter abdicado dos papéis na realeza. Diante do burburinho em torno do assunto, o rei Charles III autorizou o caçula a utilizar a roupa, mas com uma condição.

Harry teve de retirar do uniforme o símbolo ER, abreviação de Elizabeth Regina, nome de sua avó. Conforme revelou uma fonte ao portal The Sunday Times, o duque de Sussex ficou “devastado”. Irmão do príncipe, William manteve o detalhe no traje. “Ele está com o coração partido. Remover as iniciais de sua avó parece muito intencional”, confidenciou o informante não identificado ao portal.

Príncipe Harry participou da vigília de minutos no caixão da avó, fixado no Westminster Hall

6. De escanteio

Nessa segunda-feira (19/9), terminou a programação do funeral da rainha. No culto religioso realizado na Abadia de Westminster, Meghan ficou ao lado do marido, Harry. Na igreja, eles se sentaram na segunda fila, enquanto o pai do duque, o rei Charles III, o tio Andrew e o irmão mais velho, William, ocuparam os lugares da primeira fileira. A atitude foi vista pela imprensa como uma forma de isolar o casal.

Rei Charles III, Camilla, Rainha Consorte, Princesa Anne, Princesa Real, Vice-Almirante Sir Timothy Laurence, Príncipe Andrew, Príncipe Edward, Conde de Wessex, Sophie, Condessa de Wessex, ( segunda fila E-D) Príncipe Harry, Duque de Sussex, Duquesa de Sussex, Princesa Beatrice, Edoardo Mapelli Mozzi e Lady Louise Windsor, (terceira fila E-D) Samuel Chatto, Arthur Chatto, Lady Sarah Chatto e Daniel Chatto em frente ao caixão de Rainha Elizabeth II durante o Funeral de Estado da Rainha Elizabeth II, realizado na Abadia de Westminster, em 19 de setembro de 2022 em Londres, Inglaterra. Elizabeth Alexandra Mary Windsor nasceu em Bruton Street, Mayfair, Londres, em 21 de abril de 1926. Ela se casou com o príncipe Philip em 1947 e subiu ao trono do Reino Unido e da Commonwealth em 6 de fevereiro de 1952 após a morte de seu pai, o rei George VI. A rainha Elizabeth II morreu no Castelo de Balmoral, na Escócia, em 8 de setembro de 2022, e é sucedida por seu filho mais velho, o rei Carlos III
Familiares em frente ao caixão da rainha Elizabeth II durante o funeral

Para saber mais, siga o perfil da coluna no Instagram.

Mais lidas
Últimas notícias