Cabe ao Supremo Tribunal obrigar Bolsonaro a usar máscara

Quanto mais rápido a justiça decidir, mais vidas poderão ser poupadas

atualizado 15/06/2021 8:13

O Supremo Tribunal Federal (STF) julga antecipação para as eleições de 2020 da divisão igualitária dos recursos e tempo de TV e rádio entre candidatos negros e brancos Rafaela Felicciano/Metrópoles

Se há lei aprovada pelo Congresso que obriga o uso de máscara contra a Covid-19 em locais públicos e privados com ampla circulação de pessoas; se nos Estados e na maioria dos municípios decretos de governadores e de prefeitos igualmente obrigam; por que o presidente da República desfila por aí sem máscara?

Essa questão deverá ser resolvida pelo Supremo Tribunal Federal, uma vez provocado por ação de autoria do PSDB. A ação caiu nas mãos do ministro Edson Fachin, que a liberou para ser julgada pelo plenário do tribunal formado por 11 ministros. Vai depender de Luiz Fux, presidente do tribunal, apressar ou não a votação.

A princípio, a ação poderá ser julgada a qualquer momento, ou ficar para depois das férias de julho do Judiciário. Mas por que férias em meio a uma pandemia onde as coisas podem ser julgadas, e estão sendo, por meio do voto à distância? Fux não tem a menor afinidade com Bolsonaro e a recíproca é verdadeira.

A imunização em massa avança no país com a compra de vacinas, mas a uma velocidade muito menor do que seria necessário. Enquanto o “tal do Queiroga”, apelido dado ao ministro da Saúde Marcelo Queiroga por Bolsonaro, manda as pessoas usarem máscara e se vacinar, o presidente faz justamente o contrário.

Vale-se de documento falso para sugerir que o número de mortos pelo vírus é menor do que o registrado; provoca aglomerações deliberadamente; diz que a eficácia das vacinas ainda não foi totalmente comprovada; dispensa a máscara e apregoa o tratamento precoce com drogas que deixam sequelas.

Faz tudo isso sem que nada lhe aconteça – salvo uma multa que lhe aplicaram no Maranhão e outra em São Paulo. Convenhamos: é um comportamento criminoso que já custou muitas vidas e que continuará a custar, a não ser que um poder maior se levante e diga: Basta! E se ele desobedecer à ordem, que diga: Chega! Fora!

Últimas do Blog