Mamães compartilham conselhos e segredos para voltar à boa forma pós-parto

Amanda Guerra, Viviane Ávila Zebral e Duda Portella Amorim dividiram o que têm feito e fizeram para ter a forma física de antes da gravidez

atualizado 09/07/2020 12:00

Amanda Guerra e Eduardo, Viviane Sampaio e Antônio, Duda Portella e Joaquim @amandaguerra/@vivianeasampaio/@dudaportellaamorim/Reprodução/Instagram

Cuidar de um bebê exige muito das mamães. Ao longo do dia, elas se desdobram com amamentação, choro, banho, hora de ninar, troca de fraldas, entre outros momentos que merecem total atenção. Mesmo com o filho ainda pequenino, a maternidade não é focada somente nos herdeiros. As mulheres também precisam voltar o olhar a si e exercerem o autocuidado, tão importante no pós-parto.

Três mulheres conversaram com a coluna Claudia Meireles. Verdadeiras mãezonas, Amanda Guerra, Viviane Ávila Zebral e Duda Portella Amorim dividiram o que têm feito e fizeram para voltar à boa forma depois da gravidez, e estar o mais saudável possível para mimar os filhos. Afinal, eles precisam de sua melhor versão. Confira!

Amanda Guerra

Mãe de Eduardo, de 5 meses, a estilista se surpreendeu positivamente com a chegada da maternidade. “Morria de medo de como me sairia no papel de mãe, pois meu dia era tão cheio de atividades para fazer e resolver. Nós conseguimos nos virar em 300. Temos uma força maior do que achamos”, garante Amanda.

Durante a gestação do primogênito, a mãezona ganhou 13 kg e perdeu todo o peso no primeiro mês pós-parto. Na avaliação dela, um dos motivos para voltar à boa forma é a amamentação exclusiva. Outro ponto foi ter feito uma dieta restritiva com a nutricionista Cíntia Sousa, por conta das cólicas de Eduardo.

0

A estilista tirou do cardápio lácteos, glúten e industrializados. Ela só comia frutas, vegetais e água, na esperança de melhorar o mal-estar do filho. Com a alimentação regrada, Amanda conseguiu ajudar Eduardo a não sofrer com as dores das cólicas: “A partir do segundo mês de dieta, ele melhorou e voltei a comer normalmente”. A medida gerou outros resultados, como a perda de peso da mamãe.

Atualmente, Amanda não faz dieta. Nas refeições durante a semana, há saladas, verduras e frutas no prato. “Sem neura de pesar a comida, eu como até ficar satisfeita. Afinal, estou amamentando. Ter bastante leite para meu filho é a minha prioridade”, ressalta. Aos sábados e domingos, a mãezona se permite consumir alimentos mais apetitosos.

Com a gestação, Amanda teve 1 centímetro de diástase e recorreu aos exercícios para fechá-la. As atividades são feitas sob orientação de Fabi Veloso, profissional especializada em grávidas e mulheres em puerpério. A personal envia as séries para fortalecer o abdômen e Amanda as executa em casa. Outra prática da estilista é a aula de muay thai, uma vez por semana, com o professor Cadu Carvalho. “Luta é bom para perder caloria”, frisa Amanda.

Viviane Ávila Zebral

A empresária é mãe de Antônio, de 2 anos. Ao longo da gravidez do primogênito, Viviane ganhou 15 kg, mas conseguiu perdê-los no prazo de dois meses. Embora tenha conquistado rápido o peso anterior à gestação, a região abdominal levou seis meses para ficar definida. O maior obstáculo para a mãezona atingir a forma física ideal foi a diástase. “Estava bem aberta e dava a impressão de abdômen bem distendido”, conta.

Viviane sempre teve prazer em malhar e, quando o médico a liberou para fazer atividade física no puerpério, ela logo buscou exercícios para fechar a diástase. A empresária repetia as séries diversas vezes diariamente em casa ou na academia. Nas idas ao espaço fitness, a mamãe de Antônio dispôs de um recurso que afirma ter feito total diferença para conseguir ter as medidas: a cinta.

“Minha médica me prescreveu, pois não são todos os casos que podem usar. Senti muita diferença, inclusive para ir à academia. Me ajudava a manter o abdômen contraído e a firmar a postura”, recorda Viviane. Quando autorizada pelo médico, a empresária recorreu à drenagem linfática. O procedimento estético foi realizado na gravidez e intensificado após o nascimento de Antônio.

Outra aliada do retorno à boa forma foi a alimentação. Com o acompanhamento de uma nutricionista qualificada, Viviane fez uma dieta que uniu dois objetivos: ter leite para amamentar o filho o máximo possível e conseguir ficar definida. “Minha dieta era toda calculada e equilibrada. Tinha carboidrato com baixo índice glicêmico, como batata doce e inhame, além das gorduras benéficas de castanhas, abacate e açaí”, descreve.

0

Do ponto de vista da empresária, o segredo para conquistar novamente o shape sequinho é ter paciência. A alimentação saudável e a prática de exercícios a ajudaram na amamentação exclusiva por seis meses. Antônio mamou até completar 2 anos: “Nunca tive problema com falta de leite nem fiz reposição ou tomei remédio. Tudo foi com o auxílio da amamentação e a perda de peso, o mesmo”.

Duda Portella Amorim

Mãe de Joaquim, de 3 meses, e de João Guilherme, de 1 ano e 8 meses, a influenciadora digital engravidou seis meses após o primeiro parto. Na gravidez do primogênito, ela ganhou 27 kg, enquanto com o caçula, foram 13 kg. Duda acredita que não houve considerável aumento de peso na segunda gestação por estar tranquila e ter focado em outros projetos. “Não me permiti exageros”, enfatiza.

Um lema seguido à risca por Duda é que, para modificar o exterior, é preciso, antes, mudar o interior. “A transformação ocorre de dentro para fora, vem primeiro da mente”, aconselha. A influencer credita à sentença o segredo de conseguir boa forma física após o nascimento dos filhos. Embora veja o puerpério como um momento de vulnerabilidade da mulher, a mineira bate na tecla sobre a mãe colocar-se como prioridade.

“Neste momento, a autoestima precisa ser trabalhada diariamente. O pós-parto é uma fase de extremo desgaste, mas tem de ser olhado com mais carinho. Lembre-se: você estando bem, todos estarão, em especial, o seu filho. Ele não vive sem você”, reforça. Ela sentiu a necessidade de se movimentar quando Joaquim completou dois meses. Sob o acompanhamento do instrutor Célio Roldão, a mamãe treina até quatro vezes por semana.

0

“É difícil encontrar forças para malhar e, ao mesmo tempo, ter inúmeros afazeres com o bebê, mas, no fim das contas, agradecemos”, afirma a influencer. Por conta da pandemia do novo coronavírus, Duda não investiu em procedimentos estéticos e drenagem linfática. Quando for liberada pelo médico (e a quarentena acabar), ela pretende tratar a flacidez e a gordura abdominal localizada. Enquanto não pode, os exercícios são seus maiores aliados.

Por se sentir bem interna e externamente, Duda se vê mais disposta para se doar aos dois filhos, como na amamentação: “Vai além de apenas alimentar o bebê. Você também transmite energia, que precisa estar boa para fortalecer o vínculo entre mãe e filho”. Assim como Amanda Guerra, Duda fez uma dieta balanceada montada pela nutricionista Cíntia Sousa com o objetivo de Joaquim não ter cólicas. Funcionou com o filhote e gerou efeitos na pele e no cabelo da mãezona.

Dicas

Especializada em gestantes, mulheres no pós-parto e fechamento da diástase, a personal trainer Fabi Veloso revelou 10 dicas para as mamães colocarem em prática durante a gravidez e no puerpério. A intenção é voltar à boa forma e evitar o afastamento dos músculos abdominais.

Durante a gestação

1 – Exercitar-se durante a gravidez ajuda a ter uma gestação saudável e uma recuperação mais rápida no pós-parto. A intensidade deve ser de leve a moderada e a frequência cardíaca chegar a, no máximo, entre 140 e 150 batimentos por minuto.

2 – Capriche nos exercícios que fortalecem a musculatura das costas. As atividades vão ajudar a mamãe a suportar as tensões do aumento da mama na gestação e a sobrecarga gerada pela amamentação.

3 – Faça exercícios voltados ao assoalho pélvico. Essa musculatura é negligenciada, mas tem um papel fundamental na prevenção da diástase e no tratamento da incontinência urinária. Para as mamães que desejam um parto via vaginal, o trabalho na região pélvica é essencial. Independentemente da escolha de parto, o assoalho pélvico precisa ser exercitado.

4 – Realizar os exercícios abdominais corretamente (respiração e ativação abdominal) são fundamentais para as mamães que desejam prevenir a diástase.

5 – Por agravar a diástase, evite exercícios de impacto (corrida e saltos) e de barriga para baixo (glúteos, quatro apoios e pontes ventrais). As atividades aumentam as chances de escape de urina e são extremamente desnecessárias para uma gestante.

No pós-parto

6 – Antes de retornar as atividades no puerpério, é necessária a liberação médica. Não esqueça de pedir a autorização ao profissional.

7 – Reorganize o corpo. Os primeiros meses após o parto são essenciais para ajustar a postura e reabilitar o abdômen, com intuito de reverter a diástase.

8 – Assim como na gestação, os exercícios de ativação abdominal são importantes para tratar a diástase e tirar o temido aspecto de “barriga de grávida”. O quanto antes a mamãe voltar à ativa, mais rápido conseguirá a boa forma.

9 – O cardio pode e deve ser realizado no pós-parto com o objetivo de ajudar na perda de peso e no ganho de condicionamento físico. Um conselho: não esqueça de se hidratar, pois é fundamental para garantir a qualidade do leite materno.

10 – A recomendação para a gestação sobre não praticar corridas nem atividades de alta intensidade continua no puerpério.

 

Para saber mais, siga o perfil da coluna no Instagram.

Últimas notícias