“Havia dinheiro para reajuste dos servidores”, garante Wasny de Roure

Seis vezes eleito à Câmara Legislativa, o deputado tenta pela primeira vez uma cadeira no Senado Federal. "Vou lutar por recursos para o DF"

atualizado 21/09/2018 16:30

Michael Melo/Metrópoles

Eleito seis vezes deputado distrital, Wasny de Roure (PT) concorre pela primeira vez a uma vaga ao Senado Federal. Ele foi o terceiro entrevistado, nesta sexta-feira (21/9), na série de sabatinas do Metrópoles com os candidatos ao cargo majoritário. O petista foi presidente da Câmara Legislativa entre os anos de 2013 e 2014 e está na Casa desde a primeira legislatura, em 1991.

Economista, Wasny também foi secretário de Fazenda, no governo do candidato à reeleição ao Senado Cristovam Buarque (PPS). Wasny é um dos dois candidatos do Partido dos Trabalhadores ao Senado, na chapa pura da legenda, junto com Marcelo Neves. Segundo ele, pela experiência que tem em gestão e depois de analisar os dados do DF, o atual chefe do Executivo, Rodrigo Rollemberg (PSB), poderia ter concedido a terceira parcela do reajuste a 32 categorias de servidores públicos.

“Tanto havia recursos que agora estamos vendo diversas obras sendo realizadas. É uma questão de prioridade. O Rollemberg tratou o servidor público como um agente perverso nessa gestão”, afirmou.

Assista:


Wasny também questionou a atuação dos senadores para garantir recursos para o DF. Para ele, as perdas do Fundo Constitucional sofridas poderiam ter sido evitadas. “Senador não pode ajudar Brasília só com emendas, pode questionar, saber para onde está indo o dinheiro, fazer projeto. Consegue ainda fiscalizar o salário educação do Fundo da Saúde”, listou.

O candidato lamentou a aprovação da Emenda 95, que limita os gastos em áreas como educação e saúde pelo teto da arrecadação. “A emenda congelou os recursos e o senador que já foi reitor da Universidade de Brasília (UnB) votou a favor. A UnB corre o risco de fechar as portas. É preciso ter sensibilidade, visitar as escolas, conversar”, disse.

“Quero estar no Senado para fazer a diferença. A população precisa de representantes que falem, que gritem, que digam: “eu posso defender a minha cidade”, que caminhem no meio do povo. Farei a diferença como fiz na Câmara Legislativa”, concluiu.

Sabatinas

As entrevistas fazem parte da série de sabatinas de candidatos ao Senado iniciada em 13 de setembro.

Metrópoles entrevistou os candidatos Danilo Matoso (PCO), Fadi Faraj (PRP)Hélio Queiroz (PP), João Pedro Ferraz (PPL), Marcelo Neves (PT), Chico Sant’Anna (PSol), brigadeiro Átila Maia (PRTB), Chico Leite (Rede), Cristovam Buarque (PPS), Fernando Marques (Solidariedade), Robson (PSTU), Izalci Lucas (PSDB), Paulo Roque (Novo), Marivaldo Pereira (PSol) e Professora Amábile (PR).

Na próxima segunda-feira (24), o Metrópoles realizará mais um debate com os candidatos ao GDF. A transmissão ocorrerá em todas as plataformas digitais e por rádios parceiras, ao vivo.

Mais lidas
Últimas notícias