Hélio Queiroz se “sacrificaria” para Paulo Octávio disputar o Senado

Em entrevista exclusiva ao Metrópoles, postulante do PP-DF informou que poderá abrir mão da candidatura. Decisão será tomada até sexta (14)

Vinícius Santa Rosa/Metrópoles

atualizado 13/09/2018 18:41

O candidato do PP-DF ao Senado, Hélio Queiroz, anunciou nesta quinta-feira (13/9) que pode abrir mão da disputa para que seu correligionário e ex-vice-governador do Distrito Federal Paulo Octávio assuma a vaga. “Se for necessário cortar na própria carne para que possamos conseguir melhor resultado nas eleições, não tenho dúvida de que me sacrificaria”, disse, em entrevista ao Metrópoles.

Segundo o empresário do ramo da comunicação, o grupo político cogita que ele fique com a primeira suplência no lugar de Marcinho Silva (MDB), e Paulo Octávio seja o postulante ao Senado. O candidato informou que a decisão será tomada até sexta (14). “Em qualquer uma das duas hipóteses [continuar na campanha ou ceder o posto], estou preparado para ir até o final”, garantiu.

Na avaliação de Hélio Queiroz, Paulo Octávio está elegível, embora existam entendimentos jurídicos contrários por conta da renúncia do cargo de governador interino para se defender de acusações de envolvimento na Caixa de Pandora – o maior esquema de corrupção da história do DF. Ele assumiu o posto após José Roberto Arruda (PR) perder o cargo em decorrência do escândalo.

Paulo Octávio responde a ações penais no âmbito da Pandora e chegou a ser preso na Operação Átrio, da Polícia Civil, que trata da suspeita de irregularidades na emissão de alvarás.

Hélio Queiroz e Paulo Octávio integram a coligação Pra Fazer a Diferença, encabeçada pelo ex-presidente da Ordem dos Advogados do Brasil Seccional Distrito Federal (OAB-DF) Ibaneis Rocha (MDB). Com o bordão “É noiz, Hélio Queiroz”, o candidato entrou na disputa por uma vaga no Senado após a desistência de Paulo Octávio. Agora, o cenário pode mudar novamente.

Veja a entrevista:

Crítica e Bolsonaro
Ainda na disputa, Hélio Queiroz mirou a artilharia contra Cristovam Buarque (PPS), candidato à reeleição. O progressista alfinetou o adversário e revelou a intenção de substitui-lo no Senado. “Não por ele não ter competência, mas pelo tempo que está lá. Acho que política não pode ser carreira”, pontuou.

O empresário também defendeu a redução do mandato de senador de oito para quatro anos. Hélio Queiroz ainda se mostra insatisfeito com a decisão nacional do partido de apoiar o presidenciável Geraldo Alckmin (PSDB). Ao Metrópoles, o aspirante a senador declarou que está ao lado de Jair Bolsonaro (PSL).

Hélio Queiroz tem 2% das intenções de voto, conforme apontou a pesquisa FSB/Metrópoles. Cristovam, com 24%, e Leila do Vôlei (23%) lideram a disputa pelas duas vagas no Senado. Izalci Lucas (PSDB), com 17%; Chico Leite (Rede), com 13%; e Wasny de Roure (PT), com 9%, vêm em seguida.

0

Entrevistas
Metrópoles começou nesta quinta (13) a série de entrevistas com candidatos da capital da República ao Senado. Com duração de 25 minutos, as conversas serão realizadas na sede do portal, no Lago Sul, com transmissão ao vivo pelo Facebook.

Últimas notícias