*
 

Ao receber integrantes do Patriota em sua casa, durante café da manhã nesta sexta-feira (12/10), Ibaneis Rocha (MDB) atacou Rodrigo Rollemberg (PSB), seu adversário na corrida ao Palácio do Buriti: “Ele está indo para rua porque não tem com quem se reunir. Não tem apoio partidário e está perdendo os que tinha. Não fui para rua porque acho uma falta de respeito. É um dia santo, religioso”.

O buritizável disse que iria passar o feriado em reuniões internas e também levaria o filho de 13 anos para passear. Às 17h, Ibaneis irá à missa de Nossa Senhora Aparecida, na Esplanada dos Ministérios. Para os próximos dias, o emedebista garantiu que vai intensificar a agenda. “Vamos gastar muita sola de sapato para conversar com a população e entender as necessidades das pessoas”, comentou.

O candidato recebeu representantes do Patriota para fechar mais uma aliança. Presidente do partido no DF, Paulo Fernando afirmou que o advogado é a melhor opção para o Distrito Federal. A legenda pediu a criação da Secretaria da Família e atenção especial à Rádio Cultura Brasília FM, “que está sucateada”. Outros pleitos estão relacionados a escolas de governo, para que haja mais suporte aos servidores comissionados, e investimentos no turismo religioso.

Ibaneis se comprometeu a avaliar as propostas e garantiu que o Patriota, assim como os outros partidos que estão se aliando a ele, participarão de sua gestão com conversas e projetos, caso seja eleito, logo na transição de governo.

O postulante ao Executivo local também deve se reunir com o Partido Democrático Trabalhista (PDT), segunda-feira (15/10), para fechar possível apoio: “A Rede não está mais com o Rollemberg. E mesmo que não feche comigo oficialmente, algumas pessoas já me procuraram”.

Representação
Ibaneis entrou com representação no Ministério Público Eleitoral (MPE-DF) contra o governador. O emedebista acusa o adversário de abuso de poder político e diz que essa atitude demonstra desespero do rival. 

“Ele tem feito isso nas regiões administrativas e nas secretarias. Convoca servidores para entrar na campanha dele, principalmente os comissionados. É um atitude antidemocrática que demonstra que ele partiu para o vale-tudo”, atacou. 

No documento encaminhado ao procurador-regional eleitoral, José Jairo Gomes, o advogado de Ibaneis e da coligação Pra Fazer a Diferença, Bruno Rangel, argumenta que, “durante o primeiro turno, diversos servidores comissionados vinham relatando coação para participar de eventos de campanha”.

Ainda de acordo com a representação, em todas as secretarias do GDF e nas administrações regionais “a ordem para servidores comissionados é fazer campanha para Rodrigo Rollemberg, sob pena de exoneração”. A documentação traz prints de conversas de WhatsApp nas quais seria possível confirmar a coação aos comissionados.