DF: irmão confirma que emprestava carro vermelho para maníaco

Depoimento corrobora informações passadas por supostas vítimas de Marinésio de que ele usava um veículo vermelho além da Blazer prata

atualizado 31/08/2019 14:07

Homem presoAndre Borges/Especial para o Metrópoles

O depoimento do irmão de Marinésio dos Santos Olinto, 41 anos, cozinheiro desempregado e assassino confesso de Letícia Sousa Curado, 26, e Genir Pereira de Sousa, 47, comprovou uma informação que pode ligar o criminoso a outras vítimas. Conforme apuração do Metrópoles, o homem, que não teve o nome divulgado e foi ouvido pela polícia nessa sexta-feira (30/08/2019), disse ter emprestado com frequência a Marinésio um Pálio vermelho. Pontuou ainda que o acusado dirigia também um Gol preto.

Pelo menos duas supostas vítimas do maníaco disseram à polícia que teriam sido atacadas por Marinésio quando ele conduzia um carro vermelho. Entre elas, uma adolescente de 17 anos.

Em depoimento, a jovem contou ter sido estuprada pelo cozinheiro em abril deste ano. “Peguei o ônibus para ir ao Itapuã. Quando desci na parada, ele passou. Ficou me olhando e me abordou com uma faca. Disse que se eu não entrasse no carro ele ia me matar. Me levou para a região dos pinheiros e me estuprou. Depois, pegou meu pescoço, me jogou para fora e disse que eu era um lixo”, contou a garota, que esteve na delegacia acompanhada da mãe.

A menina, entretanto, relatou que o maníaco não dirigia a caminhonete Blazer prata, veículo que acabou ajudando a desvendar as mortes de Letícia e Genir. “Ele estava em um carro diferente, vermelho. Ela tava segura que o homem tinha uma mancha no rosto”, disse a mãe. “Ela tem certeza absoluta de que é ele. Reconheceu pela reportagem. Quando o viu, começou a tremer e gritar que era ele”, frisou.

Uma moradora do Paranoá de 42 anos, que pediu para não ter o nome divulgado, também esteve na delegacia e relatou que chegou a tentar suicídio duas vezes devido ao trauma causado pela violência sofrida: foi estuprada e espancada. A vítima parou de trabalhar e fez acompanhamento psiquiátrico. Hoje, tem depressão e síndrome do pânico.

O caso ocorreu em 2017. Naquele ano, Marinésio teria ameaçado a mulher de morte após ela tentar escapar do veículo dele. Aos investigadores, a vítima garantiu que o maníaco estava em um carro vermelho – diferente da Blazer prata usada na morte de Letícia.

“Eu estava na parada quando ele encostou o carro vermelho, desceu, colocou uma faca no meu rosto e me mandou entrar, sem gritar. Fiquei apavorada e disse que, se ele quisesse minha bolsa, poderia levar. Mas implorei que não me matasse”, contou ao Metrópoles.

O suspeito dirigiu até uma área de mata onde fica um grande pinheiral na região administrativa. Foi quando, segundo a vítima relatou aos policias civis, ela teria sido violentada e agredida.

“Ele pegou no meu pescoço e falou que se eu não ficasse quieta, ia morrer naquele momento. Mandou eu fazer o que ele queria, se não me mataria. Entre a minha vida e fazer o que ele queria fazer, preferi minha vida”, narrou aos investigadores. Marinésio fez mais ameaças: “Disse que ia matar porque eu tinha visto bem o rosto dele. Ele falou que quem via o rosto dele morria”, revela a denunciante.

Uma terceira mulher que esteve na 6ª Delegacia de Polícia (Paranoá) também citou um carro vermelho.

Publicidade do parceiro Metrópoles 1
Publicidade do parceiro Metrópoles 2
Publicidade do parceiro Metrópoles 3
0

 

Reconhecimento

Marinésio será levado para a 6ª Delegacia de Polícia (Paranoá) nos próximos dias. A data exata, contudo, ainda será definida. Mulheres que procuraram a unidade para denunciar o maníaco farão o reconhecimento do homem. Além de matar Letícia e Genir, o cozinheiro admitiu ter assediado pelo menos 10 mulheres. Entretanto, negou ter matado ou estuprado outras pessoas.

A polícia organizará um esquema de segurança, possivelmente com o apoio de homens da Divisão de Operações Especiais (DOE). O objetivo é evitar que o clamor da população por justiça se transforme em uma tentativa de agressão a Marinésio. Uma mulher que procurou as autoridades recentemente, para denunciar que teria sido atacada pelo maníaco, também será ouvida na delegacia e participará do reconhecimento. Ela supostamente foi atacada na região do Paranoá.

Os investigadores querem evitar que casos de desaparecimento ou de estupro cometidos por outros suspeitos sejam direcionados a Marinésio. “É natural que, com a grande repercussão, ocorrências sem elucidação comecem a ser revistas. No entanto, o trabalho precisa ser feito com muito cuidado, para que a autoria seja apontada com exatidão”, explicou uma fonte policial ouvida pela reportagem e que pediu para ter o nome preservado.

Nos últimos dias, Marinésio revelou aos investigadores detalhes da rotina que levava em Planaltina antes de ser preso no último domingo (25/08/2019). Afirmou que tinha o hábito de pegar o carro nos dias de folga e circular pela cidade, atrás de mulheres. Contou ainda que costumava abordar as que estavam sozinhas em paradas de ônibus.

Na versão dada aos policiais, ele ressaltou que oferecia carona para a Rodoviária do Plano Piloto e, no trajeto, assediava as vítimas. Pelas contas do maníaco, seriam pelo menos 10. Entretanto, negou estar envolvido em outras mortes, além das de Letícia e Genir, ou estupros.

Mais depoimentos

Nessa quinta-feira (29/08/2019), Marinésio prestou depoimento por cerca de nove horas na Divisão de Repressão a Sequestros (DRS). A especializada apura o desaparecimento da empregada doméstica Gisvênia Pereira dos Santos, 33. O maníaco negou envolvimento no caso e disse não conhecer a moradora do condomínio Nova Colina, em Sobradinho. No entanto, informações complementares prestadas por ele serão alvo de novas diligências.

Gisvênia foi vista pela última vez em 6 de outubro de 2018, em um posto de combustíveis da BR-020. Desde então, o caso tem sido tratado com prioridade pela DRS. Outros possíveis suspeitos já foram interrogados. Os detalhes da investigação, no entanto, não podem ser revelados, pois o inquérito segue em sigilo.

A polícia apura também a participação de Marinésio em outros ataques. Os crimes variam entre assédio, sequestro, estupro e homicídio. Os investigadores da Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) trabalham para encontrar elementos que possam associá-lo aos supostos crimes, cometidos desde 2012, ou descartar o envolvimento dele nessas ocorrências.

Policiais ouvidos pela reportagem afirmaram que, durante as oitivas, Marinésio não demonstrou arrependimento ou remorso por ter cometido os crimes. Lamenta por ter sido preso e pelas consequências da exposição dos fatos, principalmente por colocar como alvo da ira de populares a mulher e a filha.

Enquanto os casos não são relatados e remetidos à Justiça, o acusado segue preso na carceragem do Departamento de Polícia Especializada (DPE). Após ser ameaçado por outros internos, precisou ser isolado. O cozinheiro recebe apenas a visita do advogado.

Confira a lista de casos em que Marinésio é suspeito:

1) Letícia de Sousa Curado – Desaparecida após sair para o trabalho, em 23 de agosto de 2019, e encontrada morta três dias depois;

2) Genir Pereira de Sousa – Desaparecida em 2 de junho deste ano, após sair do trabalho, e encontrada morta 10 dias depois;

3) Gisvânia Pereira dos Santos Silva – Desaparecida em outubro de 2018, em Sobradinho;

4) Irmãs atacadas – As vítimas contaram ter fugido do ataque de Marinésio um dia depois de ele ter matado Letícia, em Planaltina;

5) Adolescente de 17 anos – Jovem diz ter sido estuprada em área de pinheiros, abandonada e chamada de “lixo”;

6) Moradora do Paranoá, 42 anos – A mulher diz ter sido estuprada por Marinésio em 2018;

7) Lays Dias Gomes – Desapareceu no dia 7 de julho de 2018, após sair de casa rumo a uma parada de ônibus, em Samambaia. Naquele dia, ela não chegou a dizer à família para onde iria;

8) Vítima desaparecida no Paranoá – Caso de 2014 foi reaberto após semelhanças com modo de agir de Marinésio. A polícia não divulgou o nome;

9) Vítima desaparecida em Sobradinho – Essa ocorrência, entre 2014 e 2015, foi reaberta agora, após semelhanças com o modus operandi de Marinésio. O nome da vítima não foi divulgado pela polícia;

10) Babá moradora da Fercal – A vítima não teve o nome revelado, mas está desaparecida há um ano e meio, após ter se dirigido a uma parada de ônibus;

11) Mulher de 23 anos – Em agosto deste ano, conseguiu escapar do ataque após ameaçar se jogar do carro em movimento. Foi abordada na Rodoviária de Planaltina;

12) Marília de Lurdes Ferreira – Desaparecida em agosto de 2012, foi achada morta um mês depois, na linha férrea dos arredores do Setor de Indústria e Abastecimento (SIA);

13) Caroline Macêdo Santos – A adolescente de 15 anos foi encontrada morta no Lago Paranoá em maio de 2018. A garota tinha grande amizade com a filha de Marinésio dos Santos Olinto e morava a cerca de 800 metros da casa do criminoso, no Vale do Amanhecer.

Mais lidas
Últimas notícias