Senador quer que STF investigue fala de Bolsonaro sobre vacina e HIV

Alessandro Vieira requereu à CPI da Covid que envie ao Supremo fake news disseminada pelo presidente durante live das redes sociais

atualizado 24/10/2021 19:53

Alessandro Vieira_CPI da Covid-19Waldemir Barreto/Agência Senado

A declaração do presidente Jair Bolsonaro durante a live semanal na última quinta-feira (21/10), na qual ele sugere haver relação entre a vacina contra Covid-19 e o desenvolvimento da Aids, levou o senador Alessandro Vieira (Cidadania-RS) a pedir à CPI da Covid que envie ao Supremo Tribunal Federal (STF) a “fake news encampada por Bolsonaro”.

Em nota divulgada neste domingo (24/10), o parlamentar solicita à CPI que remeta “o inteiro teor dos fatos ao conhecimento do ministro Alexandre de Moraes, do STF, incluindo-a no Inquérito das Fake News, para avaliar a conduta potencialmente criminosa do presidente da República”.

“Relatórios oficiais do governo do Reino Unido sugerem que os totalmente vacinados, (ou seja,) aqueles com 15 dias após a segunda dose, estão desenvolvendo a Síndrome de Imunodeficiência Adquirida (Aids) muito mais rápido que o previsto”, disse Bolsonaro, na live.

Veja o momento em que o presidente relaciona a vacina ao HIV:

“Como cobrar do cidadão comum o indispensável cumprimento das determinações legais se o presidente não o faz?”, questiona o senador em seu requerimento.

“A consequência, como sabemos, é o aumento do número de infectados, doentes e mortos. Não fosse presidente, a persistência do cometimento de infrações penais,já seria suficiente para decretar sua prisão preventiva”, completa.

Confira o requerimento de Vieira:

Doc-SF213661530368-Entrega by Carlos Estênio Brasilino on Scribd

Sociedade de infectologia repudia fala

Também neste domingo, a Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) divulgou nota afirmando que “não se conhece nenhuma relação entre qualquer vacina contra a Covid-19 e o desenvolvimento de Síndrome de Imunodeficiência Adquirida (HIV/Aids)”.

IMPORTANTE || “Pessoas que vivem com HIV/AIDS devem ser completamente vacinados para COVID-19. Destacamos inclusive a liberação da dose de reforço (terceira dose) para todos que receberam a segunda dose há mais de 28 dias.”
Leia a nota de esclarecimento | https://t.co/xjp40B6c4t pic.twitter.com/eIFCJNXj89

No texto, a instituição ressalta ainda que as pessoas que vivem com HIV/Aids devem tomar as duas doses da vacina. Além disso, destacam que quem pertence a esse grupo também precisa tomar a dose de reforço (terceira dose) após 28 dias da segunda. 

Mais lidas
Últimas notícias