PCRJ: pelo menos 18 dos mortos no Jacarezinho tinham antecedentes

Segundo a corporação, a ficha e as identificações de cada um serão apresentadas após exames de perícia e necropsia

atualizado 07/05/2021 19:45

Operacãoo policial em favela do Rio deixa pelo menos 15 mortosJOSE LUCENA/THENEWS2/ESTADÃO CONTEÚDO

Rio de Janeiro – A Polícia Civil do Rio de Janeiro (PCRJ) divulgou nota nesta sexta-feira (7/5) informando que os 18 primeiros mortos identificados da operação em Jacarezinho tinham antecedentes criminais. Segundo a corporação, a ficha e as identificações de cada um serão apresentadas após exames de perícia e necropsia.

A Operação Exceptis, realizada nessa quinta (6), resultou na morte de 25 pessoas: 24 suspeitos e o policial civil André Frias, de 48 anos, baleado na cabeça.  Dos 24 suspeitos mortos, apenas três eram alvos dos mandados de prisão expedidos pela Justiça para a referida ação.

A ação policial gerou uma onda de indignação e foi a mais letal da história do Rio de Janeiro. O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), pediu ao procurador-geral da República, Augusto Aras, investigação sobre a operação policialPara o magistrado, há indícios de “execução arbitrária”.

Para a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) foi um banho de sangue. A Organização das Nações Unidas pediu investigação imparcial.

A Polícia Civil, por sua vez, destaca que a operação foi planejada e necessária. Que não há que se comemorar os óbitos, mas os mortos teriam reagido e ameaçado a vida dos policiais.

A corporação informou que a ação, coordenada pela Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA), foi resultado de investigação contra a organização criminosa que atua na comunidade.

0

O grupo é investigado pelo aliciamento de crianças e adolescentes para integrar a facção que domina o território, explorando os menores para práticas ilícitas, como o tráfico de drogas, roubo de cargas, assaltos a transeuntes, homicídios e sequestros de trens da Supervia, dentre outros crimes.

Desde junho do ano passado, o Supremo Tribunal Federal (STF) suspendeu operações em favelas durante a pandemia. A decisão permite ações apenas em “hipóteses absolutamente excepcionais”, após comunicação e justificativa ao Ministério Público.

A Polícia Civil disse ter agido legalmente, dentro dos protocolos estabelecidos pelo STF.

Durante a operação foi apreendido forte armamento, entre eles uma metralhadora e munição antitanque.

Mais cedo, o vice-presidente da República, Hamilton Mourão, disse ter apoiado a operação da polícia e que os mortos são “todos bandidos”.

Últimas notícias