“Sobrevida pós-câncer tem cada vez mais qualidade”, afirma Paulo Hoff

Diretor de Oncologia da Rede D´Ór concedeu entrevista ao Metrópoles sobre tratamento e prevenção da doença

atualizado 29/10/2021 12:16

Oncologista Paulo HoffRaimundo Sampaio/Especial Metrópoles

O câncer de mama é o primeiro na lista de tumores que ameaçam a saúde feminina. A boa notícia é que tanto o rastreamento quanto os tratamentos evoluíram muito e, caso o diagnóstico seja feito rapidamente e os procedimentos para eliminá-lo tomados, as chances de cura são bastante altas.

O médico Paulo Hoff, diretor do setor de Oncologia da Rede D´Ór, explica que, atualmente, os recursos disponíveis para tratar o câncer de mama permitem escolhas menos invasivas, que garantem uma recuperação menos penosa para as pacientes. Ficou no passado à mastectomia de Halsted, cirurgia na qual o seio era retirado junto com toda a musculatura do tórax.

“Atualmente, as cirurgias são mais limitadas, combinadas com tratamento sistêmico. Buscamos a cura das pacientes, tentando manter a qualidade de vida. A questão estética têm importância e é levada em conta. A sobrevida pós-câncer tem cada vez mais qualidade”, afirma.

De acordo com ele, o método de terapia alvo – no qual, as células cancerígenas são tratadas com terapias localizadas – representam um dos mais importantes avanços dos últimos tempos. “É um processo que permite, de acordo com o diagnóstico de cada paciente, decisões de tratamento bastante particularizadas”, relata.

0

 

O oncologista, que tem em sua lista de ex-pacientes políticos, ministros e artistas, lembra que o câncer não é uma única doença. “São várias doenças, por isso existe uma variedade de tratamentos. No geral, podemos dizer que a terapia alvo consiste em isolar a área onde o tumor apareceu e atuarmos sobre ela, evitando que novos tumores surjam”, afirma.

A imunoterapia – quando o próprio sistema imunológico do paciente é reprogramado para atacar os tumores – é uma fronteira científica promissora. No caso de alguns tipos de câncer de mama, o método já vem dando resultados consistentes. “Alguns tipos de câncer enganam o sistema de defesa do indivíduo. O princípio da imunoterapia é descortinar essa falha o sistema imunológico e passar a usá-la de maneira favorável. Para um tipo de câncer de mama – o triplo negativo – já há resultados importantes”, explica.

Prevenção de tumores

Em relação à prevenção, Paulo Hoff lembra que duas estratégias correm em paralelo: a prevenção primária e a secundária.

A prevenção primária consiste no controle de fatores externos como, por exemplo, os hábitos de vida. “Exercício e alimentação são muito importantes. Quando falamos em exercícios, não precisa ser algo extenuante, uma caminhada já é suficiente para prevenir diversos tipos de câncer desde que seja diária”, afirma. Em relação à alimentação, o médico recomenda uma dieta variada com muitas frutas e verduras, em que a ingestão de gordura animal seja controlada.

Já a prevenção secundária é o acompanhamento da saúde com exames médicos periódicos, isso faz que o câncer possa ser detectado o mais rápido possível, aumentando as possibilidades de tratamento e as chances de cura.

Veja a entrevista com o médico Paulo Hoff, diretor de Oncologia da Rede D´Ór:

Mais lidas
Últimas notícias