Maratonar séries faz mais mal à saúde do que ficar sentado trabalhando

Pesquisadores concluíram que quem assiste a mais de quatro horas de televisão por dia tem 50% mais chance de ter doenças do coração

JESHOOTS.COM, UnsplashJESHOOTS.COM, Unsplash

atualizado 29/07/2019 14:30

Pesquisadores da Columbia University, nos Estados Unidos (EUA), publicaram um estudo recentemente no Journal of the American Heart Association no qual concluem que ficar sentado horas em frente à televisão é pior do que passar o mesmo período de tempo trabalhando no computador. O levantamento analisou 3,5 mil moradores do estado do Mississipi durante oito anos e considerou dados sobre saúde cardíaca, incluindo entrevistas, exames clínicos e questionários sobre hábitos de vida.

De acordo com o estudo, o grupo que relatou assistir a mais de quatro horas de televisão por dia apresentou risco 50% maior de desenvolver doenças cardiovasculares ou de morrer prematuramente em comparação com quem gastava menos de duas horas vidrado na tela. No entanto, os cientistas descobriram que, nesses casos, ao menos 150 minutos por semana de atividade física moderada ou intensa conseguem neutralizar os efeitos negativos do sofá.

A pesquisa também revelou que, mesmo quem declarou trabalhar a maior parte do dia sentado não apresentou risco maior de apresentar problemas de saúde. Os autores da investigação admitem que as razões para essa diferença não estão claras, mas, provavelmente, envolvem comportamentos que adotamos ao longo do dia na rotina de trabalho – seja em casa ou no escritório. “No trabalho, as pessoas se levantam para conversar com algum colega, ir a uma reunião, tomar um café”, explica Jeanette Garcia, fisioterapeuta que liderou a investigação.

O próximo passo é conseguir mais detalhes sobre o comportamento sedentário em frente à TV e identificar se o horário em que ocorre tem influência nos resultados. “Geralmente assistimos mais à TV no final do dia, quando tendemos a comer refeições pesadas, e ficamos sedentários por horas ininterruptas até a hora de dormir”, conclui Garcia. (Com informações do site Saúde)

Últimas notícias