Categorias: saúde

Sedentarismo: ficar sentado é o “novo fumar”, diz médica americana

A maioria da população trabalha, até oito horas por dia, sentada em frente a um computador. Não consegue encontrar nem um tempinho para dar aquela esticada nas pernas. Nesta era tecnológica em que vivemos, muitos empregos envolvem pouca ou quase nenhuma atividade física, trazendo riscos para a saúde de quem passa muito tempo na mesma posição.

E o pior: quando o jovem trabalhador chega em casa, costuma se deitar para assistir à televisão e relaxar, até a hora de dormir, ou fica horas mexendo no celular. Dificilmente pratica atividades físicas com regularidade.

“Atualmente, já é possível fazer uma conexão de que, quanto mais tempo a pessoa passa sentada, maior é o risco de mortalidade por doenças ligadas ao peso e à falta de exercícios. Para essa geração, ficar sentado é o ‘novo fumar’”, disse a doutora Rita Raman, médica neonatologista pela Universidade de Oklahoma, no 21° Congresso Brasileiro de Nutrologia, realizado no fim de setembro, em São Paulo.

Quem fica muito tempo sem esticar a perna ou mexer o corpo pode desenvolver distúrbios cardiovasculares, diabetes, osteoporose e até câncer. Mas a principal consequência, sem dúvida nenhuma, é a obesidade.

Nas últimas décadas, campanhas de conscientização têm ajudado a diminuir o consumo de cigarros. Entre 1990 e 2015, a porcentagem de fumantes diários no Brasil caiu de 29% para 12%, entre homens, e de 19% para 8% entre mulheres.

Em compensação, a obesidade cresceu entre 2006 e 2016. O índice de brasileiros com a doença passou de 11,8% para 18,9%. O número aumenta com o avanço da idade, mas, mesmo entre pessoas de 25 a 44 anos, permanece alto: 17%. Um dos motivos para o aumento dessa estatística é o sedentarismo.

 

Um estudo já relacionou a quantidade de horas sentado ao risco de obesidade. Foi analisado o tempo passado sobre uma cadeira, seja no trabalho, sofá ou escola, de 4.486 homens e 1.845 mulheres, entre 20 e 79 anos. Também se mediu a circunferência abdominal de cada participante e seus percentuais de gordura.

Os maiores índices foram encontrados nos corpos dos voluntários que ficavam mais tempo sentados. Segundo os pesquisadores, quase metade dos homens disse passar três quartos do dia em uma cadeira, enquanto apenas 13% das mulheres relatou tal circunstância.

Para a doutora Maria Cristina Jimenez, presidente da Sociedad Paraguaya de Nutrición (SPN), o combate à obesidade requer uma equipe multidisciplinar.

“Médicos nutrólogos, endocrinologistas, cardiologistas, psicólogos e nutricionistas devem se unir no combate da doença. Uma pessoa que reduz o peso de 5% a 10% promove uma melhora corporal em curto prazo, porém a homeostase energética – interação metabólica responsável por manter a energia do corpo para sobrevivência em curto e longo prazo – nunca será a mesma entre ex-obesos e magros”, diz Jimenez.

O urologista Rafael Buta, da Aliança Instituto de Oncologia, acrescenta que o sedentarismo também está relacionado a cânceres de vários tipos. “Não é a causa direta, mas está relacionado a provenientes do câncer. O de próstata, por exemplo, tem como causa o sedentarismo e a obesidade”, diz.

Outro ponto apontando pelo especialista é que homens costumam ter uma queda de testosterona aos 40 anos – no entanto, os sedentários têm uma perda muito maior do hormônio. Ou seja, sofrem mais com disfunção erétil e diminuição de libido.

Assim como com o tabagismo, a mudança deve ser gradual: transformar a cultura, incentivar o indivíduo a se exercitar e mudar a organização dos escritórios. Sérgio Borges, especialista em arquitetura corporativa há 18 anos, diz que o mercado está mudando, e grandes empresas já se preocupam com os funcionários, buscando alternativas para a triste realidade das repartições.

 

“Já existe uma mesa que, por meio do acionamento de um botão, sobe com seu computador, anotações, tudo para você trabalhar um tempo em pé. São as ‘standing desks’. Outra tecnologia disponível é uma cadeira com bicicleta ergométrica acoplada. São soluções para forçar as pessoas a ficarem mais ativas [imagens na galeria abaixo]”, diz o diretor da skborges.

As novas bancadas tecnológicas podem ser encontradas em Brasília e chegam a ser até quatro vezes mais caras que as mesas tradicionais. “Vale o investimento. O empregador percebe isso ao ver os funcionários pedindo menos licença médica e trabalhando mais focados”, fala Sérgio.

Estudos da Universidade de Chester, na Inglaterra, apontam que trabalhar em pé, entre duas e três horas por dia, gera uma perda média de oito quilos por ano e, ainda, combate o estresse do trabalho. Ou seja, levante já o seu bumbum da cadeira e vá dar uma voltinha!

 

Já existem mesas que, por meio do acionamento de um botão, sobem com seu computador, anotações, tudo para você trabalhar um tempo em pémore
São as standing desksmore
A tecnologia é usada na Europa há, pelo menos, cinco anos. Nos últimos dois anos, chegou ao Brasilmore
As mesas podem ser encontradas em Brasília, mas, prepare-se: custam até quatro vezes mais que uma convencionalmore
Estudos da Universidade de Chester, na Inglaterra, apontam que trabalhar em pé, entre duas e três horas por dia, gera uma perda média de oito quilos por ano e, ainda, combate o estresse do trabalhomore
Outra tecnologia disponível é uma cadeira com bicicleta ergométrica acopladamore
São soluções para forçar as pessoas a ficarem mais ativas more
O mercado está mudando, e grandes empresas já se preocupam com os funcionários e buscam soluçõesmore

Bruna Sabarense

Formada em jornalismo pelo Icesp, trabalhou nas redações do Jornal de Brasília, TV Bandeirantes (Band) e na editoria de Vida & Estilo do portal Metrópoles. Na Oscip Escola Brasil atuou como produtora, redatora e repórter de rádio em projetos para os Institutos Federais e no Selo Unicef Município Aprovado. Já como assessora de imprensa foi chefe das assessorias de comunicação da Administração Regional de São Sebastião e da Secretaria das Cidades do Distrito Federal, tendo atuado também na Subsecretaria de Relações com a Imprensa (Secretaria de Comunicação do GDF).

Últimas notícias

Escravizado, casal podia comer apenas arroz; mulher era estuprada

O dono da fazenda em que os dois moravam teria violentado a mulher. Eles também não ganhavam produtos de higiene

3 minutos passados

Promotor quer interditar escola sem água e luz, mas com morcegos

Instituição que fica no interior do Pará funciona em condições precárias, sem água encanada nem energia elétrica

8 minutos passados

Bolsonaro cria “Dia do Rodeio” na mesma data do “Dia dos Animais”

O texto da lei 13.922/19 foi publicado no Diário Oficial da União desta quinta-feira (05/12/2019); a proposta foi aprovada no…

8 minutos passados

Vídeo: manilha se rompe com chuva e derruba casa no DF

Acidente ocorreu em Vicente Pires. A Defesa Civil foi acionada e o Corpo de Bombeiros atua no local. Ninguém ficou…

10 minutos passados

Rafael Donato chega ao Brasiliense com espírito de liderança

Com passagens por grandes clubes brasileiros, como Botafogo-RJ e Cruzeiro-MG, o atleta tem vasta experiência, inclusive fora Brasil

13 minutos passados

Caso Daniel: assassino confesso pode deixar cadeia após um ano

Defesa de Edison Brittes protocolou um pedido de liberdade na Justiça, argumentando que o réu não oferece perigo

19 minutos passados