Dieta gordurosa aumenta fome e impede saciedade, afirma pesquisa

Estudo mostra que alimentação muito calórica interfere na ação da leptina, hormônio responsável por avisar o cérebro que estamos satisfeitos

iStockiStock

atualizado 14/08/2019 8:10

Quem nunca comeu demais e sentiu culpa depois? Exagerar na alimentação causa ganho de peso e, em alguns casos, obesidade, mas isso não é exatamente uma novidade. Uma pesquisa desenvolvida pelo Baylor College of Medicine e publicada no Journal of Clinical Investigation tentou desvendar o mecanismo que leva ao exagero alimentar e descobriu que ele está intimamente ligado à qualidade daquilo que comemos.

De acordo com o trabalho, uma conexão entre o intestino e o cérebro é a chave para entender como se chega à obesidade. Os pesquisadores detectaram que ratos que estavam em uma dieta gordurosa apresentaram níveis aumentados de peptídeo inibidor gástrico (GIP), um hormônio produzido no intestino responsável pelo balanço energético do corpo. O excesso desse hormônio inibiria a ação da leptina, o hormônio da saciedade. Ou seja: quanto mais GIP, mais os ratos comeram — e mais engordaram.

Para evitar a comilança sem fim, a solução, de acordo com os estudiosos, foi bloquear o funcionamento do GIP. Assim, a ação da leptina foi restaurada, fazendo com que os camundongos perdessem peso.

A leptina atua na regulação da saciedade tanto em ratos quanto em humanos. O que a ciência ainda não sabia, segundo os autores do trabalho, era como uma dieta rica em gordura levaria a uma resistência à leptina. Usando fatias cerebrais cultivadas em placas de petri, eles puderam identificar a ligação entre o hormônio intestinal GIP e a leptina.

Além de comerem menos, os ratos obesos que tiveram a ação da GIP bloqueada apresentaram menores níveis de glicose no sangue. O resultado, porém, só foi verdadeiro para os ratos acima do peso. Em camundongos com peso normal, o bloqueio do hormônio não teve efeito algum. Isso poderia indicar que, com uma dieta balanceada, os níveis de GIP não aumentam e a leptina funciona normalmente, desencadeando a sensação de saciedade no cérebro e interrompendo o exagero alimentar.

Últimas notícias