O Metrópoles aponta cinco destaques da gastronomia brasiliense em 2016

Novos locais, personalidades gastronômicas e o surgimento de tendências movimentaram o ano. De quebra, fazemos uma aposta para 2017

atualizado 19/12/2016 17:42

Kácio Pacheco

Para o mal e para o bem, 2016 ficará marcado por ter movimentado o país e o mundo com acontecimentos surpreendentes. Voltando os olhos para a cena local, Brasília cresceu e mostrou que a sua vocação gastronômica se beneficiou das novidades surgidas por aqui nos últimos 365 dias.

Salta aos olhos, por exemplo, a abertura de muitos novos estabelecimentos, mesmo em meio à tão falada crise econômica. Entre esses, altas apostas, como o Authoral e o Nikkei, e as muitas novidades da Asa Norte….

Elencamos cinco destaques que tornaram a capital um lugar mais rico em sabores neste 2016, indo desde personalidades do circuito gastronômico até tendências e um projeto feito por uma chef para internet. De bônus, lançamos nossa aposta no que deve ser uma febre no ano que vem. Confira:

Felipe Menezes/Metrópoles

GIL GUIMARÃES,
autor da “melhor pizza do Brasil”
À frente das casas Baco e Parrilla Madrid, Gil se tornou uma das personalidades mais influentes na gastronomia do DF. Além de ter ótima relação com produtores locais e levar isso para seus preparos, o empresário viu seus negócios se expandirem. No primeiro semestre do ano, inaugurou em São Paulo a Napoli Centrale, no Mercado de Pinheiros, com proposta ousada: servir pizza como manda a tradição napolitana, para comer com as mãos. Quase ao mesmo tempo, a Baco faturou o título de melhor pizzaria do país pela revista Prazeres da Mesa, em junho. Encerra a lista de glórias a mudança do Parrilla Madrid de restaurante para hamburgueria. Aliás, uma das melhores da praça, com deliciosos sanduíches preparados na brasa e feitos com ingredientes selecionados.

Rafaela Feliciano/Metrópoles

A EXPANSÃO DAS COMIDINHAS VEGANAS,
restrição nos ingredientes, mas não no sabor

A associação entre restrições alimentares e comida sem graça foi definitivamente enterrada neste ano de 2016. Aqui em Brasília, Inaiá Sant’Anna, da Quitutices, e Renata Dias, da Renata Dias Cozinha Vegana, vieram reforçar o roteiro de boas opções para quem tem intolerância a glúten, lactose ou proteína animal. Utilizando matérias-primas como leite de coco, leite de castanhas e farinha sem glúten, Inaiá cria quitutes doces de dar água na boca, como o bolo de pipoca (foto acima). Em novembro, passou a servir também salgados. Renata arrisca-se por esse mesmo caminho com igual êxito. Qualquer dúvida, prove a coxinha de jaca verde que ela faz.

Felipe Menezes/Metrópoles

IVV SWINE BAR,
uma combinação de boas ideias

A começar pelo nome, que resume as especialidades da casa — os petiscos de carne suína e o vinho (wine) — o bar e clube de vinhos comandado pelo sommelier Eduardo Nobre e sua mulher, Ariela, na 314 Norte, conseguiu se firmar perante o público pela forma eficiente com que pôs na prática ótimas ideias. O ambiente é simples, mas descolado. O cardápio enxuto, mas cheio de boas surpresas ao estilo finger foods. A carta de vinhos traz rótulos dos mais variados preços. A música bem selecionada. O que falta mais? Talvez um atendimento mais eficiente. Mas são tantos os acertos que não custa ter um pouco de paciência.

Reprodução

PROJETO COMIDA DE VERDADE,
explorando os sabores do DF
Não é puxando sardinha para o nosso lado, mas depois que Mara Alcamim passou a veicular no Metrópoles o projeto Comida de Verdade, o público conheceu um lado pouco explorado da chef do Universal Diner: sua versão entertainer. Conheceu também ótimas dicas de comida boa e barata. A cada episódio semanal, Mara vai a um lugar conhecido (ou não) para mostrar por que motivos ele merece atenção. Ela deixa de lado os restaurantes chiques e explora botecos, self-services, PFs e outros endereços populares nos quatro cantos do quadradinho. Já foi do cachorro-quente do Landi ao Bar do Tião, conhecido pela crocante porção de torresmo. Deu muito certo — confira a série.

Felipe Bastos/Divulgação

JANTARES COMPARTILHADOS,
um jeito diferente de convívio gastronômico
Partilhar a mesa com pessoas que você não conhece (necessariamente) na casa de alguém onde nunca esteve antes. Essa proposta se propagou por Brasília nos últimos meses — embora já viesse sendo praticada há tempos pelo casal Esdras Nogueira e Mariana Escosteguy, com seu projeto Coma Lá em Casa. Longe de ser uma concorrência aos restaurantes (já que abrigam geralmente grupos muitos pequenos), os “chefs domésticos” propiciam uma experiência, uma diferente forma de convívio entre os que gostam de explorar a gastronomia. Conheça sete deles em matéria do Metrópoles.

Gerson Lima/Divulgação

UMA APOSTA
Os contâineres serão os novos food trucks?
Tem uma tendência pipocando para 2017: o uso de contâineres para abrigar restaurantes. O primeiro começou tímido e ganhou o nome de Bar dos Fundos, no Ancho Bistrô de Fogo (306 Sul). Sob o comando da chef Renata Carvalho, o novo bar deu um ar mais descolado à casa de carnes. Tempos depois chegou o Madero Container, em Águas Claras. Com cardápio mais enxuto do que o habitual, o novo lugar tem decoração com dutos e luminárias aparentes, além de muita madeira, uma identidade da marca. No início de dezembro, mais um contâiner foi inaugurado: Páprica Burger, hamburgueria superdescolada que funciona em um posto de gasolina na 204 Norte. É oficial: o contâiner será o próximo food truck.

Mais lidas
Últimas notícias