Este é um espaço para celebrar a vida e as pessoas. Viaje comigo nesta aventura!

Cabelo: estudo mostra que óleo “acessível” é mais eficaz que minoxidil

Prepare-se para se surpreender, conforme comprovou estudo publicado na revista SKINmed. A pesquisa comparou duas fórmulas usadas nos fios

atualizado 06/12/2021 12:43

Sonja Pacho/Getty Images

Notar um cabelo longo e queixar-se de que os seus fios não crescem. A menção está na ponta da língua de quem apresenta dificuldades para as madeixas aumentarem de tamanho. Em busca de potencializar o crescimento capilar, vale recorrer a táticas valiosas, por vezes disponíveis na web. Durante a pesquisa, poderá se deparar com o óleo de alecrim, conhecido por desempenhar importante efeito, desde o couro cabeludo até as pontas.

Certamente, os desconfiados estão com a pulga atrás da orelha: será que o óleo de alecrim realmente faz o cabelo crescer? Prepare-se para se surpreender, conforme comprovou estudo publicado na revista SKINmed, em 2015. Antes de seguir adiante com as descobertas da pesquisa científica, é importante ressaltar que a substância contém propriedades anti-inflamatórias, cicatrizantes e estimulantes da circulação sanguínea.

Publicidade do parceiro Metrópoles 1
Publicidade do parceiro Metrópoles 2
0

O estudo foi realizado em 100 pessoas com alopecia androgenética, doença que provoca a queda dos fios. Os cientistas dividiram os participantes em dois grupos. Enquanto uma turma usou o óleo de alecrim no couro cabeludo durante seis meses, a outra fez tratamento com minoxidil a 2% no mesmo período. De acordo com as bulas, o medicamento combate o caimento das madeixas e ajuda no crescimento capilar.

Conforme publicou o site de estilo de vida Shape, os dois tratamentos pareciam funcionar igualmente bem ao longo dos seis meses: “Ambos os grupos mostraram um aumento significativo na contagem de cabelos, e não houve uma diferença significativa na contagem de cabelo entre as duas equipes”. Entretanto, ao comparar outros resultados, o óleo de alecrim saiu na frente. Quem usou a fórmula natural não apresentou efeitos colaterais em relação ao medicamento.

Vidro com planta do lado
Os princípios ativos do óleo de alecrim são bastante potentes, quando aplicados no couro cabeludo

Entre a série de lamentações do grupo, está a forte coceira no couro cabeludo. A condição afetou quem aplicou o medicamento à base de minoxidil, pantenol D, propilenoglicol e biotina. Na avaliação do dermatologista James Y. Wang, o óleo de alecrim tende a ajudar a promover o crescimento do cabelo em alguns indivíduos com queda dos fios relacionada à idade, como a alopecia androgenética.

Apesar de ser necessária a execução de mais estudos para entender a fórmula derivada da planta, os cientistas defendem algumas teorias. “Não está totalmente claro qual é o mecanismo, mas acredita-se que [o óleo de alecrim] bloqueie o DHT, uma forma de testosterona, de interagir com os receptores nos folículos capilares.”

Mulher observa o cabelo
O estudo que comparou o minoxidil e o óleo de alecrim foi publicado na revista SkinMED

Segundo o dermatologista, níveis elevados de DHT podem encolher os folículos capilares e, consequentemente, as fibras param de nascer por completo. Aos pacientes diagnosticados com alopecia androgenética James Y. Wang deixa o aviso de que dá para se beneficiar com as propriedades do óleo de alecrim.

“Outras formas de queda de cabelo desencadeadas por estresse, suplementos hormonais e folículos capilares fracos em geral poderiam ser ajudadas pelo uso do óleo de alecrim devido à suposta capacidade da substância de melhorar levemente a circulação e diminuir a inflamação”, esclareceu o médico.

O dermatologista garante que a fórmula natural ao estimular a circulação sanguínea, aumenta o fornecimento de oxigênio ao couro cabeludo, o que contribui com o aumento de tamanho das madeixas. Quando a região está com inflamação, o problema causa a queda dos fios antes de atingir o fim do ciclo de crescimento.

Mulher massageia o cabelo
James Y. Wang deu dicas para potencializar o efeito do composto natural
Problemas?

Para pacientes com o couro cabeludo sensível, fica o alerta quanto à aplicação do óleo de alecrim. Em alguns indivíduos, as substâncias podem ocasionar transtornos. É o caso de irritações na região capilar, por exemplo, a caspa. Caso sofra com a condição, é necessário resolver a situação antes de aplicar a fórmula natural e, se possível, se consultar com um especialista.

Mulher cheira alecrim
O alecrim tem propriedades benéficas para o couro cabeludo

“Todos os óleos podem causar algum nível de irritação ou piorar a caspa do couro cabeludo”, frisou o médico. Entre o composto à base de alecrim e o minoxidil, Wang fez o seguinte apontamento: “Muitas pessoas preferem um caminho natural para iniciar o tratamento contra a queda de cabelo. O minoxidil pode ser muito eficaz, mas nem todo mundo gosta da sensação que ele causa. Também provoca irritações e faz os fios caírem na fase inicial de tratamento, condição considerada indesejável”.

Modo de usar

Ficou com vontade de aplicar o óleo de alecrim nas madeixas para estimular o crescimento e prevenir a queda? Confira as dicas do médico James Y. Wang. Ele aconselha a utilizar o composto após lavar os fios. Tecnicamente, não precisa enxaguar, mas caso queira, espere 10 minutos para a fórmula agir no couro cabeludo e na fibra capilar. “Se você lava o cabelo duas vezes na semana, use-o nas vezes após o banho”, orientou o dermatologista.

Fica o aviso do especialista: “O óleo em excesso causa irritação e inflamação generalizada”. Para obter resultados satisfatórios, evite exagerar e aplique no couro cabeludo, no máximo, cinco gotas de óleo de alecrim. Outra sugestão de Wang é adicionar o composto no shampoo ou outros produtos capilares. Ao usar os cosméticos, massageie diretamente no couro cabeludo.

Vidro com conta-gotas e planta
O dermatologista recomenda usar cinco gotinhas

Para saber mais, siga o perfil da coluna no Instagram.

Mais lidas
Últimas notícias