Bolsonaro critica Datafolha e compara com pesquisa anterior à eleição

Pesquisa criticada por Bolsonaro é do final de setembro e mostra possíveis resultados do segundo turno. Mês depois, Datafolha quase acertou

Andre Borges/Especial para o metrópolesAndre Borges/Especial para o metrópoles

atualizado 02/09/2019 14:14

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) foi às redes sociais, no início da tarde desta segunda-feira (02/09/2019), para criticar as pesquisas do instituto Datafolha divulgadas nesta segunda-feira (02/09/2019). Com o novo resultado do instituto, que aponta aumento na reprovação do atual governo, Bolsonaro citou pesquisa de setembro do ano passado, um mês antes das eleições de segundo turno, para justificar a sua desconfiança sobre os resultados.

“Segundo o mesmo Datafolha que diz que eu seria derrotado se as eleições fossem hoje, eu perdi as eleições de 2018. Muito confiável”, escreveu o presidente, junto à manchete “Datafolha: Haddad dispara e vence com 45% no segundo turno”, publicada no site oficial do Partido dos Trabalhadores (PT) no dia 28 de setembro do ano passado.

À época, o Datafolha apontava, a nove dias do primeiro turno da eleição presidencial, Bolsonaro em primeiro lugar na corrida presidencial, com 28%, e Fernando Haddad (PT) em segundo, com 22%. Nas simulações do segundo turno, contudo, o atual mandatário seria derrotado em qualquer ocasião.

Em pesquisa divulgada um dia antes das eleições de segundo turno, o instituto apontava Bolsonaro como favorito para a disputa contra o petista Haddad. Enquanto o atual presidente teria 47% dos votos, suficiente para ganhar as eleições, o opositor ficaria com 39%. O resultado final das eleições apresentou uma diferença pouco maior, com Bolsonaro se elegendo com 55% dos votos.

Nova pesquisa
A reprovação do presidente Jair Bolsonaro (PSL) entre os brasileiros chegou a 38% neste mês de acordo com pesquisa Datafolha, publicada pelo jornal Folha de S.Paulo nesta segunda-feira (02/09/2019). Em julho, a proporção daqueles que desaprovavam o chefe do Executivo era de 33%.

Enquanto isso, a aprovação de Bolsonaro caiu dentro da margem de erro da pesquisa. Segundo o levantamento, passou de 33% em julho para 29% neste mês. A avaliação regular ficou estável: saiu de 31% para 30%.

Com a divulgação de resultados que demonstram negatividade para a atual gestão, o presidente tem aproveitado a segunda-feira para alegar a veracidade das pesquisas. Mais cedo, antes da publicação nas redes sociais, Bolsonaro questionou se alguém ainda acredita no instituto. “Você acredita em Papai Noel?”, perguntou a jornalistas.

Ao ser questionado sobre momentos em que concordou com dados do Datafolha, como na época em que uma pesquisa apontou rejeição da população ao garimpo em terras indígenas, o presidente explicou que o instituto tende a fazer a coisa certa quando o assunto não se refere à política. “De vez em quando, quando a pesquisa não é política, há uma tendência de fazer a coisa certa. Há uma tendência”, apontou.

Últimas notícias