Metrópoles recebe medalhas em prêmio latino-americano de design

A matéria Carros Fortes, Homens Indefesos e o projeto Elas por Elas foram reconhecidas no Ñh, organizado pelo Society of News Design (SND)

Igo Estrela/MetrópolesIgo Estrela/Metrópoles

atualizado 15/10/2019 22:57

O Metrópoles foi reconhecido duas vezes pelo prêmio internacional Ñh 2019 – Lo Mejor del Diseño Periodístico. O evento, organizado pela Society of News Design (SND), reconhece matérias visuais, fotografias, ilustrações e infográficos publicados por jornais da Espanha, Portugal e América Latina.

A matéria especial Carros Fortes, Homens Indefesos ganhou medalha de prata na categoria Data Projects e Infografía. Já a página do projeto Elas por Elas levou medalha de bronze na seção Home Landing Page.

Com sede no Distrito Federal, o portal está entre os oito veículos nacionais reconhecidos pela organização, ao lado de Folha de S. Paulo, O Povo, O Globo, Correio, Extra, Nova Escola, Estadão e Nexo. Também foram premiadas publicações internacionais de peso, como El País, Público, La Nación, Marca, Excélsior e Clarín.

A SND recebeu 2.168 inscrições de 112 meios de comunicação que atuam em 14 países diferentes. Os jurados se reuniram em Buenos Aires, na Argentina, para eleger as publicações mais bem desenhadas do ano. Os trabalhos recebem medalha de ouro, prata e bronze em diferentes categorias.

Stephanie Arcas/Metrópoles

Na primeira matéria vencedora, o Metrópoles contou a história das quadrilhas especializadas que estão dizimando os vigilantes que trabalham em veículos blindados. A equipe de reportagem mergulhou no cotidiano dos cerca de 30 mil trabalhadores de empresas de transporte de valores, profissão considerada uma das mais arriscadas do planeta.

Durante três meses de apuração, foram feitas dezenas de entrevistas, em quatro estados percorridos, a fim de mostrar como a sangrenta atuação dessas organizações criminosas nas estradas brasileiras impôs a esses profissionais sequelas físicas e emocionais irreversíveis.

Além do esforço logístico para realizar as viagens ao redor do país e conversar com vigilantes, a equipe do Metrópoles organizou o material em infográficos interativos, com local, dinâmica e data dos assaltos. O leitor pode navegar pelo mapa do Brasil e ler sobre 126 ataques a carros-fortes – de um total de 355 – que aconteceram nos últimos três anos.

Gui Prímola conduziu a equipe de arte; Moisés Dias criou o design; e Tauã Medeiros editou os vídeos. Daniel Ferreira selecionou as fotografias tiradas por Michael Melo, Andre Borges, Igo Estrela, Rafaela Feliciano, Hugo Barreto e JP Rodrigues. A equipe de tecnologia composta por Allan Rabelo, Saulo Marques e André Marques desenvolveu todo o material. A reportagem é de Saulo Araújo, e o texto recebeu supervisão de Lilian Tahan, Priscilla Borges, Maria Eugênia e Olívia Meireles. Por fim, o material foi revisado por Viviane Novais.

A segunda medalha foi para a home do Elas por Elas. Desde o primeiro dia do ano de 2019, o Metrópoles se dedica a um projeto editorial sobre feminicídio. A série de reportagens dá visibilidade às tragédias provocadas pela violência contra as mulheres, humanizando estatísticas frias.

As histórias de todas as vítimas de feminicídio do Distrito Federal estão sendo contadas por profissionais do sexo feminino (jornalistas, fotógrafas, artistas gráficas e cinegrafistas), conhecidas por sua sensibilidade, para aproximar os leitores da trajetória de vida dessas mulheres e criar empatia, único sentimento capaz de interromper a indiferença diante dos pedidos de socorro de tantas brasileiras. Romper esses ciclos de violência exige engajamento de toda a sociedade.

Todos os casos de agressão contra mulheres registrados no DF estão em um contador atualizado na capa do portal. Além disso, o jornal publica entrevistas com especialistas, pesquisadores e autoridades responsáveis por proteger as brasileiras, a fim de ajudar a população a compreender dados, identificar situações de risco e saber como auxiliar quem corre perigo.

A equipe do Metrópoles monitora políticas públicas, mapeia iniciativas bem-sucedidas de combate à violência e fala sobre experiências inspiradoras de mulheres que superaram relacionamentos abusivos. A linha visual do projeto foi criada pela equipe de arte, comandada por Gui Prímola. Criaram ilustrações para o projeto Stela Woo, Stephanie Arcas e Yanka Romão. O especial é coordenado por Lilian Tahan, Priscilla Borges, Maria Eugênia, Olívia Meireles e Érica Montenegro.

Essa não é a primeira vez que o Metrópoles vence o Ñh. Em 2017, o portal levou duas medalhas de bronze na categoria Coberturas Informativas com as matérias Transbrasil e Ossos do Ofício.

Histórico
Desde a sua inauguração, em 2015, o trabalho do Metrópoles é reconhecido pela Society of News Design. Além do Ñh, a organização realiza anualmente o concurso mundial The Best of Digital Design, considerado o Oscar do jornalismo gráfico. O portal ganhou duas medalhas de bronze em 2015. Venceu na categoria Notícias Diárias: Cobertura Programada com a matéria Um Impeachment em Quadrinhos, sobre a derrocada da então presidente da República, Dilma Rousseff (PT). No quesito Projeto, o especial Avisa quando chegar: O assédio que paralisa as mulheres faturou o prêmio.

No ano seguinte, na categoria Single-subject Project, que avalia reportagens especiais, o portal recebeu quatro prêmios de excelência: Ossos do ofício: a rotina cruel dos trabalhadores de frigoríficosTransbrasil – Um embarque para o crime nas rodovias brasileirasChegamos à quarta idade. E agora, estamos preparados?; e As faces das chacinas no cárcere. Já na categoria Experimental Design, a Raptrospectiva 2017 faturou a honraria.

Em 2019, o Metrópoles ganhou duas medalhas de bronze. A primeira, com a reportagem A tragédia de Mariana (MG) vista pela janela do trem, na categoria Story Page Design – News Features or Planned Coverage (Local Issues), e a segunda, com o trabalho De Dilma e Temer a Bolsonaro: confira a sucessão presidencial em mangá, na sessão Special Events – Elections.

Últimas notícias