Estudantes, professores e movimentos sociais em todo o Brasil reagiram à fala do presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL), sobre os protestos realizados no DF e 26 estados, nesta quarta-feira (15/05/2019) contra o contingenciamento de verbas na Educação.

Segundo o chefe do Executivo federal, “a maioria ali [nas ruas] é militante. Se você perguntar a fórmula da água, não sabe, não sabe nada. São uns idiotas úteis que estão sendo usados como massa de manobra de uma minoria espertalhona que compõe o núcleo das universidades federais no Brasil”.

As reações à declaração dominaram as redes sociais: no Twitter Brasil, a hashtag #TsunamiDaEducação está entre as mais comentadas.

Confira:


Contingenciamento
Estudantes, professores e movimentos sociais de todo o Brasil protestam durante toda esta quarta-feira (15/05/2019) contra o contingenciamento de verbas da Educação, anunciado pelo governo de Jair Bolsonaro (PSL) nos últimos dias. Além do Distrito Federal (DF), outros 26 estados se mobilizaram. Milhares foram às ruas.

Uma das instituições atingidas pelo contingenciamento é a Universidade de Brasília (UnB), que sofreu bloqueio de 40% de seu orçamento , perda de R$ 48,5 milhões que pode afetar gastos com água, luz e segurança. Os bloqueios também atingiram a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). Somente na instituição federal de ensino superior, foram eliminadas 123 bolsas.

No último dia de abril, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, afirmou que cortaria 30% dos recursos de universidades que promovessem “balbúrdia” nos campus. Três universidades foram enquadradas nesse requisito pelo chefe da pasta: a Universidade de Brasília (UnB), a Universidade Federal Fluminense (UFF) e a Universidade Federal da Bahia (UFBA). Segundo ele, a Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), em Minas Gerais, estava sob avaliação.

No mesmo dia, a UnB confirmou o bloqueio de 30% anunciado pelo ministério. A instituição disse não ter sido comunicada anteriormente de nenhum corte e contestou a declaração de Weintraub de não promover bagunça. “Como toda universidade, é palco para o debate livre, crítico, organizado por sua comunidade, com tolerância e respeito à diversidade e à pluralidade.”

Depois, o Ministério da Educação informou que o contingenciamento atingiria todas as universidades públicas e institutos federais de educação. O ministro Abraham Weintraub foi convocado pela Câmara para explicar, nesta tarde, o bloqueio de verbas aos deputados federais. Enquanto isso, os protestos contra a medida seguem pelas cidades brasileiras.

Confira imagens da comissão geral da Câmara com o ministro da Educação: 

Confira imagens dos protestos de estudantes, contra o contingenciamento, em Brasília: 

 

Veja imagens dos protestos pelo país: