BRB vai criar sistema de alerta para mulheres vítimas de violência

A ideia é que o site e o aplicativo do Banco de Brasília possam oferecer esse suporte. Iniciativa é em parceria com secretarias

DivulgaçãoDivulgação

atualizado 10/06/2019 11:50

O Banco de Brasília (BRB), em parceria com as Secretarias da Mulher e de Segurança Pública, estuda a criação de um dispositivo tecnológico para mulheres vítimas de violência emitirem alerta – uma espécie de “botão do pânico”. A ideia, conforme explicou o presidente do BRB ao Metrópoles, Paulo Henrique Costa, é que o site e o aplicativo da instituição bancária possam oferecer esse suporte. “Temos cobertura de geolocalização em todo o país”, destacou.

A tecnologia será desenvolvida no âmbito do Programa Rede Sou Mais Mulher, de iniciativa da pasta do GDF que cuida do tema, ao qual o banco aderiu na última quarta-feira (05/06/2019). “A gente tem falado em responsabilidade social. O banco público é mais que um banco”, declarou Costa. A iniciativa, contudo, não tem previsão para ser concluída ou lançada.

Em nota, a Secretaria de Segurança Pública disse que estuda medidas para garantir mais proteção às mulheres vítimas de violência “e, sobretudo, máxima punição e restrição a agressores”. “Entre elas, começou a ser avaliada pela SSP a possibilidade de parcerias com o BRB e a Secretaria da Mulher”.

No âmbito do BRB, há previsão de ações como educação financeira para elas, produtos e serviços exclusivos para o público feminino, curso de liderança para servidoras, capacitação sobre educação financeira, além da tecnologia de proteção às mulheres.

De janeiro a maio de 2019, 14 mulheres foram vítimas de feminicídio no Distrito Federal. Até 7 de junho, 6.922 casos de violência contra pessoas do sexo feminino foram registrados na capital da República.

Projeto

O projeto Rede Sou Mais Mulher tem como objetivo promover ações voltadas ao combate à violência contra as mulheres, igualdade de gênero, empreendedorismo feminino e autonomia econômica.

Além do BRB, são parceiros do programa a Companhia Urbanizadora da Nova Capital (Novacap), a Avon e o Instituto Avon. Entre as atuações previstas, estão rodas de sensibilização dos homens em diversos órgãos do GDF e materiais para campanhas de combate à violência contra a mulher em toda a capital da República.

Últimas notícias