Saiba os países europeus onde casos de Covid estão crescendo

Boletim do Centro de Controle e Prevenção de Doenças da União Europeia aponta a situação de risco dos países que fazem parte do bloco

atualizado 14/11/2021 20:21

arte coronavirus COVID-19 mundo mundial Getty images

Na última semana, a Organização Mundial de Saúde (OMS) pediu que a Europa volte a adotar medidas de restrição para evitar uma possível quarta onda de Covid-19 no continente.

Neste domingo (14/11), a Áustria anunciou que fará um lockdown seletivo, destinado às pessoas que não tomaram vacina no país. A taxa de vacinação lá está em torno de 65% e o chanceler do país Alexander Schallenberg classificou o índice de “vergonhosamente baixo”, já que não há falta de imunizantes no país.

A Holanda também retomou restrições no sábado (13/11), alterando o horário de funcionamento do comércio para diminuir as oportunidades de contágio.

Na sexta-feira (12/11), a Noruega já havia anunciado medidas para controlar o vírus, que incluíram o aumento da testagem para os profissionais de saúde que não querem se vacinar e a recomendação de que os “passaportes de vacina” sejam exigidos para reuniões de pessoas nas cidades onde a situação é mais grave.

Crescimento de casos

O recrudescimento da Covid na Europa vem ocorrendo há cerca de duas semanas e afeta de maneira desigual os países do bloco. As áreas onde a cobertura vacinal é menor são as mais atingidas, mas, neste momento, a tendência é de alta na maioria dos países.

Como o trânsito de pessoas no continente é intenso, existe o temor de que novas variantes surjam em locais que vivem surtos e ameacem a proteção proporcionada pelas vacinas.

Neste momento, se verifica um crescimento na taxa de novos casos e de óbitos – sendo que as taxas de mortalidade estão aumentando de maneira mais lenta do que os novos casos.

Situação de risco de cada país

O Centro de Controle e Prevenção de Doenças da União Europeia acompanha a situação e vem soltando boletins semanais sobre os países do bloco. O boletim mais recente foi divulgado na quinta-feira (11/11) e classifica Bélgica, Bulgária, Croácia, República Tcheca, Estônia, Grécia, Hungria, Holanda, Polônia e Eslovênia como os países onde o risco está mais elevado.

De acordo com o informe, Áustria, Dinamarca, Finlândia, Alemanha, Islândia, Irlanda, Letônia, Liechtenstein, Lituânia, Luxemburgo, Noruega, Romênia e Eslováquia estariam logo em seguida na escala de risco.

O documento classifica Chipre, França e Portugal como locais de preocupação moderada e Itália, Malta, Espanha e Suécia, como de baixa preocupação.

Mais lidas
Últimas notícias