Rosto inchado pode ser sintoma pós-Covid? Entenda o caso de Joelma

A cantora preocupou fãs ao aparecer em um show no Pará com o rosto inchado. Especialistas explicam qual a relação entre inchaço e Covid-19

atualizado 01/06/2022 14:44

Joelma com o rosto inchadoReprodução/ Twitter

O rosto inchado da cantora Joelma levantou preocupações dos fãs após um show realizado no município de Parauapebas, no sudeste do Pará, no último sábado (28/05). De acordo com a assessoria da artista, o inchaço de Joelma foi uma sequela deixada pela Covid-19.

A cantora já foi diagnosticada com a doença três vezes, sendo a última em 18 de janeiro deste ano. Mas, o inchaço no rosto pode ter relação com a doença? A mudança na aparência pode ser uma sequela da Covid-19?

O infectologista Victor Bertollo, do Hospital Anchieta de Brasília, explica que a aparência inchada não pertence ao conjunto de sintomas pós-Covid descobertos até agora.

No entanto, outros fatores associados ao tratamento da doença podem provocar o estado. Uma das possibilidades é o uso de corticoides em altas doses e durante um tempo prolongado. O medicamento é muito utilizado para tratar casos graves de Covid-19. Quando utilizado por um período longo, pode promover o acúmulo de líquidos ou de gordura, conhecido como síndrome de Cushing”, explicou. 

Reação a infecções

Segundo a dermatologista Adriana Isaac, da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), o inchaço do rosto de Joelma também pode ser resultado de uma interação entre o ácido hialurônico – usado em procedimentos estéticos – com a infecção viral.  O preenchimento não precisa ter sido realizado recentemente, pode até ser um reação tardia ao procedimento.

A cantora fez harmonização facial em 2019 e já admitiu ter realizado outros procedimentos estéticos, como preenchimento labial, rinoplastia e cirurgia no queixo.

Adriana explica que alguns casos assim ocorreram na pandemia e acrescenta que a reação também podem estar relacionadas à vacinação.  “A vacina pode provocar uma reação imunológica, fazendo com o que o corpo estranhe outros antígenos que detecta, como os produtos injetáveis”, afirma.

“A partir do momento que tem o estímulo de uma vacina para reforçar a imunidade, existe uma ativação do sistema imunológico, que é feito pela vacina. Ela também pode ativar reações a outras substâncias que são estranhas ao organismo. O preenchimento com ácido hialurônico, por exemplo, tem antígenos de substâncias que não pertencem naturalmente ao nosso corpo, foram injetados, logo o corpo começa a reagir contra eles”, explica a dermatologista.

 

Publicidade do parceiro Metrópoles
0

Receba notícias do Metrópoles no seu Telegram e fique por dentro de tudo! Basta acessar o canal: https://t.me/metropolesurgente.

Mais lidas
Últimas notícias