Site oficial do Kremlin está fora do ar em meio à guerra na Ucrânia

Segundo agência de notícias Reuters, instabilidade na página é resultado de ataques cibernéticos feitos aos endereços do governo russo

atualizado 26/02/2022 13:30

Sob fundo azul com parte da bandeira da China, o presidente russo Vladimir Putin fala em evento. Dois microfones estão posicionados a sua frente - MetrópolesAndre Borges/Esp. Metrópoles

O site oficial do governo russo, o Kremlin, saiu do ar neste sábado (26/2) a medida que as tropas do país avançam sobre a Ucrânia e tentam tomar o controle da capital Kiev.

Ao visitar o endereço do governo russo na internet (disponível em http://kremlin.ru/), uma mensagem diz que não é possível acessar o site.

De acordo com a agência Reuters, a queda da página oficial é resultado de uma série de ataques cibernéticos feitos a endereços do governo russo e da mídia estatal. Veja:

Twitter e Facebook restringidos

A queda da página oficial do Kremlin ocorre horas após a Rússia restringir o acesso da população ao Facebook e ao Twitter.

Na sexta-feira (26/2), o órgão regulador de comunicações russo anunciou que estava “limitando o acesso” da população ao Facebook.

O governo de Vladimir Putin acusa a rede social de uma suposta censura de postagens de veículos de comunicação estatais sobre a invasão militar na Ucrânia. De acordo com autoridades, quatro veículos estão sendo atingidos: TV estatal Zvezda, a agência de notícias RIA Novosti e os sites Lenta.ru e Gazeta.ru.

Um dia antes, o Facebook havia rotulado publicações de veículos russos sobre a operação no país vizinho como “não confiáveis”. A plataforma ainda impôs restrições técnicas para reduzir o alcance das postagens.

Segundo o site NetBlocks, que monitora serviços cibernéticos em todo o mundo, a restrição do Twitter está em vigor em vários provedores e ocorre quando as autoridades russas entram em conflito com as regras da plataforma em relação ao conflito com a Ucrânia.

Conflito entre Rússia e Ucrânia

A Rússia, com autorização do presidente, Vladimir Putin, iniciou na madrugada de quinta-feira (24) uma ampla operação militar para invadir a Ucrânia. Em pronunciamento, ele fez ameaças e disse que quem tentar interferir no conflito sofrerá consequências nunca vistas na história.

Publicidade do parceiro Metrópoles 1
Publicidade do parceiro Metrópoles 2
Publicidade do parceiro Metrópoles 3
Publicidade do parceiro Metrópoles 4
0

Veja um resumo de como foi a última madrugada:

Kiev resiste à invasão russa

Nessa sexta, em pronunciamento gravado, o presidente do país, Volodymyr Zelensky, alertou que a capital Kiev estava sob perigo de tomada pelos russos e fez um apelo: “Não podemos perder a capital”. O presidente ucraniano ainda afirmou que acredita que os conflitos irão se acentuar.

“O destino do país será decidido agora. Esta noite será mais difícil do que o dia. Muitas cidades do nosso estado estão sob ataque. Chernihiv, Sumy, Kharkiv, nossos meninos e meninas em Donbass, as cidades do sul, atenção especial a Kiev”, ponderou.

Ele repetiu: “Esta noite será a mais difícil. O inimigo vai com tudo. Devemos resistir. A noite será muito difícil, mas o pôr do sol virá”.

Mais lidas
Últimas notícias