Reino Unido: Boris Johnson chama líderes mundiais a união contra Covid-19

"A própria noção de comunidade internacional parece esfarrapada", disse o premiê, em discurso gravado para a Assembléia Geral da ONU

atualizado 26/09/2020 15:30

Reprodução/Instagram

O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, disse neste sábado (26/9) que a pandemia do novo coronavírus desgastou os laços entre as nações e exortou os líderes mundiais a se unirem contra o “inimigo comum” da Covid-19.

Johnson, que fez os comentários em um discurso pré-gravado para a Assembleia Geral virtual das Nações Unidas, disse que, nove meses após a pandemia, “a própria noção de comunidade internacional parece esfarrapada”. “Nunca mais devemos travar 193 campanhas separadas contra o mesmo inimigo”, ressaltou.

O inglês traçou um plano para prevenir outra pandemia global, incluindo uma rede de laboratórios de pesquisa zoonótica em todo o mundo para identificar patógenos perigosos antes que passem de animais para humanos.

O primeiro-ministro, que contraiu Covid-19 durante a primavera do hemisfério norte e passou três noites em terapia intensiva, também pediu aos países que compartilhem dados para criar um sistema global de alerta precoce para surtos de doenças e às nações que parem de impor controles de exportação de bens essenciais, como muitas fizeram durante a pandemia.

Pool de vacinas

Johnson também comprometeu 500 milhões de libras (US$ 636 milhões) por meio do pool global de aquisição de vacinas COVAX para ajudar 92 dos países mais pobres do mundo a obter uma vacina contra o novo coronavírus, caso uma esteja disponível.

Ele anunciou que o Reino Unido vai aumentar o seu financiamento para a Organização Mundial da Saúde (OMS) em 30%, para 340 milhões de libras (US$ 432 milhões) nos próximos quatro anos.

O primeiro-ministro está tentando conter a impressão de que o Reino Unido está se retirando do cenário mundial ou se tornando mais protecionista após sua saída da União Europeia. O Reino Unido deixou as instituições políticas do bloco em janeiro.

0

Últimas notícias