ONU: 364 civis foram mortos e 759 feridos na invasão da Ucrânia

Dados foram divulgados por missão da ONU no país. Na Rússia, cerca de 11 mil manifestantes acabaram presos por contestar o conflito

atualizado 06/03/2022 14:16

Pessoas evacuam a cidade de Irpin, a noroeste de Kiev, no dia 10 da guerra Rússia-Ucrânia em 5 de março de 2022 Wolfgang Schwan/Agência Anadolu via Getty Images

No 11º dia da invasão da Ucrânia pela Rússia, uma missão de monitoramento da ONU divulgou que 364 civis morreram em meio aos confrontos e 759 pessoas ficaram feridas.

O destacamento das Nações Unidas pontua, porém, que o número real provavelmente é maior. O conflito foi conflagrado em 24 de fevereiro e, até o momento, as negociações de paz conseguiram somente um cessar-fogo parcial, que sequer é cumprido.

As vítimas foram contabilizadas até o último sábado (5/3) e já superam uma outra estimativa, desta vez do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos.

Ainda de acordo com o comissariado da ONU para migração forçada, a Acnur, o conflito deflagrado pelos russos já tem saldo de 1,5 milhão de refugiados.

Publicidade do parceiro Metrópoles 1
Publicidade do parceiro Metrópoles 2
Publicidade do parceiro Metrópoles 3
Publicidade do parceiro Metrópoles 4
Publicidade do parceiro Metrópoles 5
Publicidade do parceiro Metrópoles 6
0

Do outro lado do front, em solo russo, cerca de 3,5 mil pessoas que contestam a guerra foram detidos na manhã deste domingo (6/3), também no horário brasileiro.

Destes, quase 1,7 mil são de Moscou e outros 750 de São Petersburgo. Desde o início do conflito, alertam observatórios internacionais, mais de 11 mil pessoas foram presas na Rússia. No país, o presidente Vladimir Putin acirrou as medidas de controle social.

Apesar disso, a queda do rublo, moeda local, e a alta inflacionária gerada pelas sanções internacionais têm se somado aos motes pacifistas ecoados nas ruas da Rússia.

Polônia e Romênia – além da própria Rússia – são os principais destinos daqueles que perderam suas casas em meio a tiros e bombas.

Cessar-fogo desrespeitado

Costurado na segunda reunião de paz entre os países, o cessar-fogo temporário para retirada de civis da cidade de Mariupol, no sul ucraniano, não prosperou. A Guarda Nacional da Ucrânia informou que novos bombardeios foram registrados na região.

Arte mostra como tropas russas avançaram após a invasão na Ucrânia - Metrópoles

Com isso, a evacuação de pessoas foi interrompida na noite de sábado, pelo horário de Brasília. Na cidade, bombardeada de forma ininterrupta há quase uma semana, o fornecimento de energia e água foi cortado em pleno inverno.

Mais lidas
Últimas notícias