Gastronomia aposta em solidariedade para enfrentar o coronavírus

Enquanto cozinheiros se unem para alimentar pessoas em situação de vulnerabilidade, clientes ajudam casas favoritas com vouchers

atualizado 28/03/2020 18:53

Marmitas do restaurante Rubrio para doaçãoPaulo Tarso/Divulgação

A crise gerada pela pandemia do coronavírus atinge, principalmente, a saúde: o país registra milhares de casos e dezenas de mortes. O isolamento social estabelecido para evitar a transmissão do patógeno tem, no entanto, seus efeitos negativos.

O setor de bares e restaurantes opera em marcha lenta – segundo cálculo da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel), 10% dos negócios na capital paulista vão fechar até o final da crise – e muitas pessoas que trabalhavam na informalidade se encontram em situação extremamente vulnerável, vendendo o almoço para conseguir a janta. A alimentação já é um problema grave no Brasil do coronavírus.

Diante dessa situação, vários estabelecimentos do Distrito Federal estão se desdobrando para ajudar quem precisa. O café Objeto Encontrado, localizado na Asa Norte, além de realizar entregas de pratos para clientes da vizinhança, destacou pessoas da equipe para uma ação social desenvolvida em parceria com o Gabinete 24, do deputado distrital Fábio Felix (PSol-DF).

A ideia do projeto é reunir doações de dinheiro para prover alimentos não perecíveis e produtos de limpeza para comunidades carentes. E, ainda, marmitas para quem não tem como cozinhar, desde pessoas em situação de rua até o motorista de aplicativo que não pode parar de trabalhar.

“Nosso posicionamento político deve virar prática, esse é um exercício permanente da casa: transformar em ação. Neste momento de crise, isso é muito importante. Uma das primeiras coisas que pensamos, além de como sobreviver a isso, é como ajudar quem mais precisa”, comenta Lucas Hamu, proprietário do Objeto.

Na primeira semana de arrecadações, a iniciativa conseguiu reunir R$ 20 mil em doações. O montante foi transformado em 145 cestas básicas e produtos de limpeza e higiene para comunidades carentes. Quem quiser ajudar deve seguir as instruções que constam no site do projeto.

A ação solidária também tem outros formatos. A hamburgueria Singelo Burger está distribuindo 50 lanches por dia para a população em situação de rua de Taguatinga. “Somos cristãos exercendo a nossa fé. E coloco à disposição da missão e do ideal que acredito todos os recursos que tenho, incluindo meu negócio”, disse Otávio Damichel, dono do estabelecimento, ao Metrópoles.

Além disso, a Singelo Burger aproveitou o fato de que é vizinha de uma drogaria para incluir o serviço nas entregas. “Usaremos nosso delivery para levar medicamentos sem custo adicional para os clientes. Basta pedir o burger e, se precisar de algo da farmácia, pegamos e levamos junto sem nenhum custo”, informou o empresário, que também receberá doações de cobertores, roupas de frio e alimentos para pessoas em situação de rua.

Quem gosta de vinho também tem como colaborar: a GB Vinhos vai destinar 10% do lucro das vendas do Veroni, rótulo da marca, para a compra de artigos de higiene pessoal e medicamentos para idosos. “Nós estamos passando momentos bem difíceis econômica e emocionalmente, mas temos a consciência de que há pessoas em situação de vulnerabilidade e que precisam de muita ajuda. O momento é de olhar cada vez mais para o próximo”, pondera Guto Jabour, sócio da empresa.

Ajuda para quem tem fome

Antes de fechar as portas do Rubrio, durante o período de pandemia, o chef Paulo Tarso decidiu dar destino nobre aos insumos que se encontravam em sua despensa: em vez de congelar os ingredientes para a volta ao serviço após a quarentena, optou por cozinhar os pratos do badalado restaurante para os mais necessitados.

“Preparamos 194 marmitas, os pratos do restaurante apresentados de forma diferente. Entregamos para o BSB Invisível e eles levaram tanto para quem precisava no Hran quanto para comunidades carentes”, conta Tarso, que também doou para a ONG o equivalente a 10 quilos de álcool em gel.

Doação de marmitas do restaurante Rubrio
Antes de fechar o Rubrio, Paulo Tarso e a equipe montaram 194 marmitas e doaram para a ONG BSB Invisível

A churrascaria Nativas Grill, recém-inaugurada na capital federal, também tratou de ajudar com marmitas: doou 55 refeições ao Hospital Regional da Asa Norte (Hran), centro de referência no acolhimento e tratamento do novo coronavírus em Brasília. Na noite de terça-feira (24/03), as doações chegaram aos médicos e enfermeiros que estavam de plantão. A casa de carnes planeja fazer o mesmo na próxima semana.

Entregando pizzas de sua unidade da Baco em toda Brasília, o chef Gil Guimarães decidiu ajudar quem ele via na rua com fome. Nessa sexta-feira (27/03), o empresário fez uma fornada com 50 pizzas e distribuiu na Rodoviária do Plano Piloto entre moradores de rua e pessoas que precisam continuar trabalhando e usando o transporte público.

O chef Marcelo Petrarca segue operando o delivery em suas três casas, Lago, Reverso e Bloco C. Ele também tem realizado ação solidária: a cada prato vendido para um cliente, um outro será doado a alguma pessoa em situação de vulnerabilidade.

Cartão solidário

Para salvar os restaurantes da crise tem atingido o setor, muitas casas estão promovendo iniciativa similar: o cliente compra uma refeição – ou um simples café – adiantado e terá o direito de “cobrar” pelo que pagou quando os estabelecimentos voltarem a funcionar. É parecido com a ação adotada pela Stella Artois – Apoie um Restaurante –, que estimula a clientela a adquirir vouchers de R$ 100 com 50% de desconto.

O cliente do Rubrio, por exemplo, poderá adquirir um cartão fidelidade: o valor investido será dividido em 12 vezes, que poderá ser abatido de contas ao longo de um ano. O Objeto Encontrado, por sua vez, vai receber doações e emitir vouchers aos clientes, que poderão ser consumidos assim a situação voltar à normalidade.

No Antonieta Café, as doações estão sendo feitas por meio de financiamento coletivo e rendem diversos prêmios, desde um kit com café coado e pão de queijo até espresso à vontade por um ano. A Senhora Amêndoa também oferece um voucher de R$ 100, a ser consumido pelo cliente depois da crise: o cupom pode ser adquirido pelo telefone (61) 98110-8865.

Já a Hiago Miguel Doces, do Gama, está disponibilizando kits de festa com valores promocionais: a ideia é que o cliente comemore o fim da pandemia com bolos e doces tradicionais. Os kits custam entre R$ 124,90 e R$ 184,90 e podem ser encomendados por meio do telefone (61) 99978-5036.

O confeiteiro Hiago Miguel
O confeiteiro Hiago Miguel vai oferecer kits de festa para o fim da pandemia

Uma iniciativa de abrangência nacional é a Todos Presentes: a startup Todo Cartões desenvolveu versão gratuita da plataforma para que pequenos negócios também possam gerar essas vendas antecipadas e, assim, garantir caixa para enfrentar a crise. É permitido ao pequeno negócio se inscrever no site para receber doações, e o cliente pode procurar sua casa favorita no canal e contribuir como puder.

Últimas notícias