metropoles.com

“300 do Brasil” ocupou chácara com estrutura militar; PCDF investiga

O Metrópoles teve acesso exclusivo a detalhes dos levantamentos feitos pelos investigadores sobre a dinâmica de atuação do movimento

atualizado

Compartilhar notícia

torre
1 de 1 torre - Foto: null

Em uma área de difícil acesso, cercada por morros e florestas, uma chácara serviu de quartel-general para integrantes do acampamento “300 do Brasil”. Situada no núcleo rural Rajadinha, entre as regiões administrativas do Paranoá e Planaltina, a propriedade foi escolhida por cumprir seu maior objetivo: dificultar a aproximação de estranhos e evitar olhares curiosos.

Com alojamentos, cozinha, água potável e estrutura de treinamento militar, o terreno entrou no radar de setores de inteligência de órgãos de segurança da capital da República.

O Metrópoles teve acesso exclusivo a detalhes dos levantamentos feitos pelos investigadores. Os relatórios mostram a dinâmica de atuação do grupo e revela detalhes do chamado “QG”, instalação ocupada durante um tempo pelos militantes apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

De acordo com as informações obtidas pela reportagem, a chácara era considerada fundamental para garantir a acomodação de dezenas de homens e mulheres em dois alojamentos separados por sexo.

A intenção das lideranças era oferecer um lugar seguro para descanso, alimentação, treinamento militar e organização. A equipe de reportagem sobrevoou o local e identificou que não havia mais pessoas no espaço, mas ele permanece bem cuidado.

A suspeita das autoridades é que os “300 do Brasil” abandonaram a chácara após um pedido de busca e apreensão do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios  (MPDFT), mas que acabou indeferido pelo Poder Judiciário.

O grupo teria migrado para outros locais a fim de se manter em sigilo. Nessa terça-feira (26/05), em nova ofensiva, promotores entraram com outra ação pedindo a desmobilização do acampamento. O MPDFT também requereu a busca de possíveis armas em posse de integrantes do movimento.

0
Recrutamento

Entre os métodos, destaca-se um intenso recrutamento Brasil afora para engrossar as fileiras do movimento. A forma de atingir o maior número de adeptos é por meio das redes sociais e grupos de WhatsApp. Os convidados, de vários estados, são influenciados a viajar até a capital da República e insuflados pelos líderes com palavras de ordem, sempre fazendo menção ao tombamento da política de esquerda e a supervalorização das figuras políticas que representam a direita no país.

Para garantir a segurança e evitar infiltrados, os integrantes do “300 do Brasil” desenvolveram mecanismos de pesquisa que levantam toda a vida pregressa de cada aspirante. As principais informações conferidas são: se a pessoa é ou foi jornalista de qualquer tipo de veículo de comunicação ou se integrou partido político de esquerda. Informações como estado civil e grau de escolaridade também passam pelo crivo da organização.

Nas postagens, os avisos de que o treinamento é para uma “guerra não violenta (sem armas)” se misturam a mensagens que contradizem isso ao pedir que os acampados tenham roupa preparada para combate ou para a “possibilidade de detenção”.

Cientes de que o espaço virtual é público, os organizadores não detalham os planos.

Investigação

Diante dos fatos, a Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) abriu inquérito, nessa terça-feira (26/05), para investigar a ação de integrantes do acampamento “300 do Brasil”. As apurações tiveram início após uma onda de agressões físicas e verbais contra jornalistas no exercício da profissão e a cidadãos que se posicionam contrários ao governo do presidente Jair Bolsonaro.

A apuração ficará sob responsabilidade da Divisão de Repressão ao Crime Organizado (Draco), unidade da Coordenação Especial de Combate à Corrupção e ao Crime Organizado (Cecor). Nos próximos dias, membros do grupo podem ser individualizados, qualificados e intimados a prestar depoimento.

Como mostrou o Metrópoles, o grupo bolsonarista que prega o “extermínio da esquerda” é o mesmo que liderou o ato pró-intervenção militar. Eles também são contra o Supremo Tribunal Federal (STF) e o Congresso Nacional. 

A hostilidade fez com que a Procuradoria-Geral da República (PGR) abrisse inquérito autorizado pelo STF a fim de investigar o esquema de financiamento e a natureza dos atos promovidos.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comDistrito Federal

Você quer ficar por dentro das notícias do Distrito Federal e receber notificações em tempo real?

Notificações