MDB não vai se opor ao bloqueio dos fundos eleitoral e partidário

O presidente nacional da legenda, Baleia Rossi, disse que concorda com o uso do dinheiro para combate ao coronavírus em caso de emergência

Luis Macedo/Câmara dos Deputados

atualizado 07/04/2020 19:08

O presidente nacional do MDB, deputado Baleia Rossi (SP), disse ser favorável à decisão de usar o fundo eleitoral e o fundo partidário para ações de combate ou de amenizar os efeitos do Coronavírus. Ele comentou a decisão tomada nesta terça-feira (07/04) pelo juiz federal Itagiba Catta Preta Neto, da 4ª Vara Federal Cível de Brasília, determinou, de bloquear os recursos dos dois fundos e deixa-los a disposição da união para ser usado “em favor de campanhas para o combate à Pandemia de Coronavírus – COVID19, ou a amenizar suas consequências econômicas”.

Segundo ele, o partido não vai se opor ao bloqueio dos recursos. “Se a emergência exigir, não vejo nenhuma dificuldade. O MDB não vai se opor à utilização do fundo eleitoral para o combate ao coronavírus”, disse Baleia Rossi.

A decisão, que foi tomada nesta terça-feira (07/04), aponta que os valores retidos devem ficar a disposição do Tesouro Nacional para serem usados no combate à pandemia.

Para o juiz responsável pela decisão, Itagiba Catta Preta Neto, a pandemia é “grave” e tem “afetado de forma avassaladora a vida do país”. Ele destacou os problemas econômicos decorrentes da doença e que manter o fundo tal como estava previsto era “contrário à moralidade pública”.

“O fechamento da maioria dos segmentos do comércio, nas maiores cidades brasileiras, tem gerado quebra e desemprego em massa. A economia preocupa tanto ou até mais do que a própria epidemia”, destaca na decisão.

Despesas
Já o ex-presidente do partido, o ex-senador Romero Jucá (RR), alerta sobre as despesas das legendas que continuam sendo debitadas. São gastos cobertos pelo fundo partidário. Neste sentido, ele concorda com o bloqueio do fundo eleitoral, mas não do fundo partidário.

“É importante definir porque são dois mundos distintos. O fundo eleitoral será gasto se tiver eleições. Como se discute se vai ter eleição ou não, se tiver, se discute, se complementa, se faz uma complementação orçamentária”, disse o ex-senador.

“Agora o fundo partidário é a verba que custeia as despesas mensais dos partidos. Então, isso representa salário de pessoas, prestadores de serviço, aluguéis, materiais comprados. Por isso, considero que essa decisão é mais complexa, porque as despesas estão em andamento. Mas acho que é importante discutir”, destacou. Jucá é a favor de que se adie as eleições deste ano por pelo menos um ano, já que um adiamento para 2022, junto com as eleições nacionais encontra bastante divergência no Congresso.

Últimas notícias