Tudo o que rola no universo dos famosos e da televisão, sob o olhar atento de Leo Dias e equipe.

“Por que um moleque de vila tem que comer tudo?”, questiona Projota

Projota, que completou 35 anos no último domingo (11/4), comemora a data com um presente para os fãs: o lançamento do show AMADMOL

atualizado 16/04/2021 15:46

ProjotaPedro Dimitrow/Divulgação

Projota, sem sombra de dúvidas, foi um dos grandes protagonistas desta edição do BBB. O rapper entregou todo o entretenimento que o público gosta de assistir diante da TV e na internet: criou estratégias e divertiu os espectadores com seu paladar restrito.

Apesar da sua eliminação, segue firme, forte. Ou melhor: com “Foco, força e fé”– como diz uma de suas músicas – e algo a mais: virou até queridinho do mercado publicitário. Numa propaganda de uma rede de hotéis, brincou com o cancelamento; em outra é o autor de um jingle que teve como origem uma de suas famosas paródias feitas de brincadeira programa.

O cantor, que completou 35 anos no último domingo (11/4), comemora a data com um presente para os fãs: o lançamento do show AMADMOL – A Milenar Arte de Meter o Louco, gravado ao vivo em 2017, em São Paulo. O álbum já está disponível em todas as plataformas digitais e a produção audiovisual entrará no YouTube neste sábado, a partir das 20h. Após o confinamento no BBB21, Projota concedeu entrevista à coluna Leo Dias.

Como surgiu o convite para o BBB e por que você decidiu aceitar? Recebeu cachê?

O convite veio para a minha gravadora. Na hora, fiquei surpreso, e depois entusiasmado com a possibilidade. No dia que o convite aconteceu, eu estava conversando com a minha esposa, Tâmara [Contro], sobre o BBB, pois ela sempre quis entrar… Daí na conversa, ela falou: ‘Poxa, amor, você já cantou lá, conhece o Boninho, pede a ele para me chamar.’ Mais tarde, quando recebi a ligação e contei para ela, ficamos os dois de boca aberta porque eu não esperava e nunca pensei nessa possibilidade de entrar, pelo contrário, a gente pensava na Tâmara entrando. Louco, né?

Você se arrepende de ter aceito?

Não me arrependo nem um minuto. Eu tive um motivo para entrar. Queria que as pessoas conhecessem a cara do Projota, assim como conheciam as músicas. Sei que lá dentro não foi exatamente como eu sou como as pessoas esperavam, mas ainda assim sem viver isso não teria a chance de passar por esse processo que é engrandecedor.

0

Analise sua imagem pública antes e depois do BBB.

Eu sou bastante reservado. Então, antes do BBB, as pessoas conheciam as minhas músicas e imaginavam quem eu era e como era a minha personalidade através das minhas letras. E o BBB é um programa que te coloca uma lupa gigante. Isso pode reverberar de muitas maneiras. A maioria das pessoas, pelo que vi, conseguiu separar o Projota artista, com 20 anos de estrada, do Projota que participou do BBB. Eu tenho um legado que são as minhas músicas. Logo, o saldo é positivo, os números não me deixam mentir. Agora vou extrair o melhor dessa experiência em todos os âmbitos e seguir.

O seu talento com a música ficou muito evidente no programa. O que o motivou a entrar?

Algumas coisas me motivaram. Primeiro: eu adoro um desafio. E, como disse antes, entendia que aquela era uma oportunidade das pessoas conhecerem a minha cara e, com isso, atingir um novo público. Para mim faltava isso, que as pessoas associassem o meu nome com a minha música, às minhas letras e à minha imagem. Consegui!

Você teve suporte da Globo após sair, em relação a um possível desgaste na sua imagem?

Acredito que eu tive o mesmo suporte que todos os outros participantes do programa. Não tive nenhum tratamento diferenciado na minha saída. A Globo cumpriu rigorosamente com a parte dela e eu com a minha. Eu tenho uma relação longa com eles de muito carinho, de muito respeito, de muita música minha em novela. Gratidão também. E esse respeito existia antes do BBB e nunca deixará de existir.

Qual foi o impacto financeiro do programa em sua carreira?

Vou te falar, Léo. Não venci o programa, mas saí bem de lá, viu, irmão? Ganhei um carro, um ano de McDonald’s grátis, R$ 10 mil na prova do líder que fiz com meu parceiro Arthur, ganhei um videogame irado e alguns produtos dos patrocinadores do programa durante as ações: ar-condicionado, bicicleta, robô aspirador, fritadeira… Me dei bem! Mas falando sério. Já fiz publicidade linkada ao BBB e foi bastante divertida. As pessoas adoraram! Mas repito: meu legado vem das minhas músicas. Minhas conquistas também. E eu sou muito grato a isso.

Se você pudesse dar um conselho para o Projota dentro do programa, qual daria?

Eu diria para ele se guiar mais pelo que estava sentido.

O Projota de hoje é diferente daquele que entrou?

Claro! Qualquer experiência muda a gente. Eu, pelo menos, sou uma pessoa em constante mudança e isso é bom também. Pode ser estranho, mas para mim, a melhor parte do BBB é essa, apesar de tudo o que vem junto: se conhecer mais e ter a chance de melhorar o que está ruim. Poder saber também quais são seus pontos fortes e explorar mais eles. Olhando de fora, depois de ter passado por essa experiência, acho que o jogo é mais sobre enxergar a gente mesmo e sobre como reagimos às atitudes dos outros. Eu estou em constante evolução.

A comparação entre moleque de vila e garoto de condomínio te incomodou em algum momento? Como você está lidando com isso?

No começo, não. Até achei graça porque realmente, quem não come pudim e lasanha, né? Mas depois parei e pensei: ‘Peraí, não é só sobre me chamar de enjoado por não comer. É sobre essa comparação. E ela é bem preconceituosa se você for parar pra ver.’ Me diz por que um moleque de vila tem que comer de tudo? E porque um garoto de condomínio pode ser fresco e enjoado? A galera que, como eu, vem da periferia, não pode escolher o que comer? E olha que esse nem é totalmente o meu caso, além do meu paladar realmente não gostar de algumas coisas, eu descobri em 2017 que tenho intolerância à lactose. Mas mesmo se eu não tivesse. Porque eu tenho origem pobre, eu não posso recusar um tipo de comida? Ou não gostar de alguma coisa? E por que o garoto de condomínio pode? Você consegue perceber o quanto de preconceito tem nisso? É gigante, irmão! O que acontece é que eu não como queijo, desde criança, assim como molhos brancos. Eu vi gente me julgando por não comer strogonoff como se eu quisesse comida de rico. Mano, eu sempre achei que isso era comida de rico. Em casa, não tinha strogonoff. Eu só experimentei depois dos 20 anos na casa de um amigo e percebi que não gostava por causa do creme de leite. Eu como tudo do mais simples possível, é exatamente o contrário de como as pessoas julgaram essa questão. Assim como a questão da minha amizade com o Arthur. A amizade das meninas é ok para todo mundo, mas a minha e do Arthur todo mundo quis sexualizar, você percebeu? Por que dois homens não podem ser só amigos? Por que um garoto que veio da periferia não pode escolher o que comer? E vou repetir: eu gosto de comida simples. Simples, e é isso. Na verdade, eu tinha que te responder que não é a mim que deveria incomodar. Deveria incomodar as pessoas, pois são pensamentos que falam mais dos outros. E não de mim.

Qual balanço você faz sobre a sua participação no programa?

Foi uma experiência incrível, de muita entrega para mim. O BBB me trouxe aprendizado, conheci pessoas que vou levar para a vida toda. Eu recebo carinho de muito mais gente agora também. E é bem legal isso.

Dê um conselho para quem sonha em entrar em um reality show.

Foco, força e fé sempre foi meu lema. É tema de uma música minha e realmente acho que não dá pra viver sem essas três palavrinhas aplicadas todos os dias na vida. Cada um vive essa experiência de uma forma, o que eu vivi não é a regra, o que outro viveu não é regra, cada um vai ter a sua história ali. E pra quem entrar, diria: ‘Viva intensamente porque é uma experiência única.’

Essa experiência no BBB21 daria uma música?

Dariam, não, Leo. Deram várias.

Quais seus planos para o futuro?

Como sempre fiz, eu vou planejando ano a ano. Nesse momento de pandemia, tivemos tempo de preparar um material que já estava gravado, um show incrível que fizemos em São Paulo e enfim se tornou um DVD: AMADMOL ao vivo em São Paulo. Esse DVD está saindo do forno agora direto no meu canal do YouTube. E falando em canal do YouTube, já estou retomando as atividades do meu canal de games, que já estava indo muito bem, e agora vamos para a segunda temporada, é um projeto que me faz muito bem e eu adoro demais. Pretendo entrar em estúdio em breve para produzir e gravar as novas músicas que já estão surgindo e é o que me move sempre! Outros projetos eu volto em breve, se você me permitir, para contar as novidades que estão por vir. Tamo junto!

Últimas notícias