Ação dos governadores contra o coronavírus produz miséria e fome

O governador de SP, João Doria, que até outro dia era Bolsonaro até a morte, hoje se imagina o sucessor de Lula em 2022. É tudo política

Rafaela Feliccciano/Metrópoles

atualizado 22/03/2020 9:46

O presidente da República fez uma crítica a muitos dos governadores: estão fazendo coisas que não devem, não sabem e não podem fazer no combate ao coronavírus. Estão, junto com prefeitos e outras dessas autoridades que andam por aí com um crachá qualquer pendurado no peito, destruindo muito mais do que constroem.

Para agradar a imprensa, bajular a alta comunidade médica que manda nos hospitais de luxo e parecer sérios aos olhos da população, entraram numa competição entre si para ver quem consegue tomar as medidas mais repressivas contra a epidemia. Estão sendo irresponsáveis e comandando um desastre.

O governador de São Paulo, João Doria, que até outro dia era Jair Bolsonaro até a morte, e hoje se imagina como o sucessor de Lula para ganhar as próximas eleições presidenciais, é o mais agitado.

Não há a mais remota molécula de sinceridade em absolutamente nada do que ele diz. Nomeou-se a si próprio como o líder antibolsonarista número 1 do Brasil, sem combinar com os russos, e agora tem apenas um norte na vida: ser contra tudo o que o presidente fizer, não importa o que seja. Acha que vai se dar bem, assim.

Ele, e outros parecidos, não estão fazendo nada de sério contra o vírus, mas fazem tudo o que podem, a cada dia, para destruir mais empresas, mais empregos, mais esperanças. Seu principal trabalho, hoje, é promover a miséria e a fome. Serão cobrados por isso.

* Este texto representa as opiniões e ideias do autor.

Últimas notícias