Negociata que beneficiou Gol ocorreu à beira da piscina na casa de Filippelli

O ex-vice-governador Tadeu Filippelli, até poucos dias presidente regional do MDB, é alvo central de um dos anexos da delação de Constantino

Rafaela Felicciano/MetrópolesRafaela Felicciano/Metrópoles

atualizado 17/05/2019 22:44

O ex-vice-governador do Distrito Federal Tadeu Filippelli, até poucos dias presidente regional do MDB, é alvo central de um dos anexos da delação do empresário Henrique Constantino.

Dividida em 10 capítulos, a narrativa de corrupção detalhada por um dos donos da Gol Linhas Aéreas conta como se deu o processo de redução da alíquota do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS) aplicada ao querosene de aviação no DF. Segundo o delator, a negociação foi na base da propina.

O acerto, feito na época em que Filippelli dividia o comando do governo com o então chefe do Executivo, Agnelo Queiroz (PT), ocorreu na casa onde o emedebista morava, na churrasqueira à beira da piscina.

Teriam participado do encontro os correligionários e colegas da Câmara dos Deputados Henrique Eduardo Alves e Eduardo Cunha, ambos do MDB, quando o primeiro ocupava a presidência da Casa.

O operador financeiro Lúcio Funaro também entrou, conforme ele mesmo admitiu à Justiça, na partilha da propina, embora, naquele dia, não estivesse presente na reunião para discutir os detalhes sobre a negociata.

O anexo IV da delação de Henrique Constantino ainda cita como personagem vinculado ao episódio de corrupção no DF o secretário de Desenvolvimento Econômico no governo de Joaquim Roriz, Afrânio Roberto de Souza Filho, que, no termo de delação, é vinculado ao Instituto de Desenvolvimento Econômico e Social do Setor Produtivo do Distrito Federal (Idesp-DF).

Em pelo menos outras duas investigações policiais que apuram a participação de Filippelli em denúncias de corrupção, Afrânio aparece como operador do ex-vice-governador. Ele é citado nas duas fases da Panatenaico. A primeira investiga desvios na construção do Estádio Nacional Mané Garrincha. A segunda, no BRT Sul.

No anexo IV da delação de Henrique Constantino, o empresário diz às autoridades que Filippelli assegurou aos seus interlocutores contar com o voto dos deputados distritais. Negociava-se ali a redução da alíquota do ICMS aplicado ao querosene da aviação, de 25% para 12%. Para a mudança, no entanto, teria de haver a aprovação de projeto na Câmara Legislativa.

De autoria do Poder Executivo, o texto foi aprovado em plenário no dia 12 de março de 2013. Todos os 18 distritais presentes votaram a favor da proposta. A renúncia tributária estimada em apenas três anos era de quase meio bilhão de reais.

Na última segunda-feira (13/05/2019), o juiz titular da 10ª Vara Federal, Vallisney de Oliveira , homologou os 10 anexos da delação de Henrique Constantino. Os nomes de vários figurões da política são citados pelo empresário, entre eles os do ex-presidente Michel Temer, do ex-ministro Geddel Vieira Lima e do atual presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Piracicabana
Segundo a coluna apurou, no mesmo dia em que a turma do MDB negociava os termos para redução da alíquota do ICMS sobre o querosene de aviação, também teria fechado acordo sobre a concorrência para exploração de bacias de ônibus que teriam beneficiado a Piracicabana, pertencente à família Constantino.

Na época, a Piracicabana havia ganhado os melhores itinerários. Mas o GDF chegou a cogitar derrubar o processo com base em indícios de irregularidades. O suposto acordo entre Constantino e Filippelli, no entanto, teria evitado o prejuízo para a empresa de ônibus pertencente ao empresário.

A licitação das bacias de ônibus é alvo de questionamentos judiciais. De acordo com denúncia do Ministério Público, houve direcionamento do resultado. A acusação indicou ainda que a gestão do então governador Agnelo Queiroz havia contratado o advogado Sacha Reck como consultor jurídico da concorrência pública. Porém, simultaneamente, ele teria formulado as propostas das empresas vencedoras, pertencentes aos grupos Constantino e Gulin, com objetivo de favorecê-las.

Ocaso na política
A ingerência de Filippelli junto à maioria dos deputados na época em que ele era vice-governador sempre foi tema das rodas políticas na capital. Ele fazia pessoalmente a interlocução com os parlamentares em diferentes assuntos. Era, naquele período, o principal articulador entre Executivo e Legislativo.

Mesmo após deixar o governo local, Filippelli manteve, por um tempo, seu prestígio político. Foi acomodado como assessor especial do então presidente da República, Michel Temer, de quem era bem próximo.

Perdeu poder recentemente, depois das avarias sofridas em razão das denúncias de participação em esquemas de corrupção. Chegou a ser preso por alguns dias, no âmbito da Operação Panatenaico, em 2017.

O efeito político das investidas policiais sobre Filippelli foi sentido em outubro de 2018, quando o emedebista colocou seu nome à prova nas urnas. Na ocasião, reuniu apenas 26 mil votos ao concorrer para a Câmara dos Deputados. Embora tenha sido ele quem abriu as portas do MDB para a candidatura do governador Ibaneis Rocha ao GDF, recentemente, elas quase se cerraram, deixando Filippelli de fora.

Em um acerto que sublinhou a força do atual governador frente à investida de Filippelli em manter o MDB-DF sob seu controle, restou ao ex-dirigente aceitar a vice-presidência biônica do partido. Sua nora Ericka Filippelli elegeu-se vice de Rafael Prudente, o nome de Ibaneis na disputa pelo comando da sigla.

Configurou-se aí o ocaso da carreira política do ex-todo-poderoso vice-governador do DF. E, ao que tudo indica, os movimentos do Ministério Público e da Justiça ainda devem trazer sérias consequências para Filippelli.

Outro lado
Questionado pela coluna sobre a citação de seu nome no contexto da delação de Henrique Constantino, Filippelli disse o seguinte: “O senhor Constantino jamais foi recebido em audiência privada por mim. Só foi recebido por mim em um grupo com técnicos e demais empresários do sistema de transporte público de Brasília para tratar da transição do sistema”.

Sobre o suposto encontro relatado por Constantino, Filippelli disse que o delator “seguramente está delirando”.

A reportagem tentou contato com Afrânio Roberto de Souza Filho, mas ele não foi localizado.

SOBRE OS AUTORES
Lilian Tahan

Dirige desde setembro de 2015 o site de notícias Metrópoles. É formada em comunicação social pela Universidade de Brasília (UnB), com especialização em jornalismo digital e gestão de empresa de comunicação pela ISE Business School, instituição vinculada à Universidade de Navarra, na Espanha. Antes do Metrópoles, trabalhou por 12 anos no Correio Braziliense e dois anos na revista Veja Brasília. Ao longo da carreira, conquistou prestigiados prêmios de jornalismo, como Esso, Embratel, CNT, CNI, AMB, MPT, Engenho.

Gabriella Furquim

Formada em jornalismo pela Universidade de Brasília (UnB), com experiência em redação, assessoria de imprensa e gestão de comunicação. Atua na área desde 2009. Integrou as equipes de reportagem e edição dos jornais Correio Braziliense e Aqui DF. Em 2014, coordenou a comunicação da Associação Nacional dos Centros de Defesa da Criança e do Adolescente, Seção Defence for Children Brasil (Anced/ DCI Brasil), e do projeto internacional Red de Coaliciones Sur. De 2015 a 2017, foi assessora de imprensa do governador de Brasília, Rodrigo Rollemberg.

Últimas notícias