Rolou na 4ª: bebês trocados, OAB contra Bolsonaro e queda de juros

Dia marcante na economia: Banco Central decidiu, por unanimidade, reduzir a taxa básica de juros, a Selic, de 6,5% para 6% ao ano

Andre Borges/Esp. MetrópolesAndre Borges/Esp. Metrópoles

atualizado 31/07/2019 22:59

Nesta quarta-feira, o drama dos bebês trocados no Hospital de Urgências de Trindade (Hutrin), município da região metropolitana de Goiânia, dominou o noticiário. O Hutrin divulgará, nesta quinta-feira (01/08/2019), o resultado de quatro exames de DNA que indicarão a paternidade das crianças. Foram realizados testes entre os dois bebês e os supostos pais Genésio Vieira, 43 anos, e Murilo Lobo, 22. Os resultados comprovarão se os recém-nascidos estão trocados entre os casais ou mesmo se não têm parentesco com as famílias.

A Polícia Civil de Goiás ouviu servidores do hospital e conversou com os advogados das famílias. Os investigadores não acreditam na possibilidade de as funcionárias terem trocado as crianças propositalmente. Para eles, os bebês trocados foram vestidos com as roupas um do outro após o banho na maternidade. As investigações continuam.

Leia mais sobre o drama aqui:

O ministro do Supremo Tribunal federal (STF) Luís Roberto Barroso foi escolhido nesta quarta para ser o relator da interpelação que o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Felipe Santa Cruz, protocolou contra o presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL), para que ele esclareça as declarações feitas sobre a morte de Fernando Santa Cruz, pai de Felipe, desaparecido durante a ditadura. A ação é assinada pelos 12 ex-presidentes da entidade, com pedido de esclarecimento sobre a fala de Bolsonaro: “Um dia, se o presidente da OAB quiser saber como é que o pai dele desapareceu no período militar, conto para ele. Ele não vai querer ouvir a verdade”.

Confira outras notícias sobre o tema:

Também nesta quarta, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central decidiu, por unanimidade, reduzir a taxa básica de juros da economia, a Selic, de 6,5% para 6% ao ano. Esse é o menor percentual desde 1986. De outubro de 2012 a abril de 2013, a taxa foi mantida em 7,25% ao ano e passou a ser reajustada gradualmente até alcançar 14,25% ao ano em julho de 2015. Em outubro de 2016, o Copom voltou a reduzir os juros básicos da economia até que a taxa chegasse a 6,5% ao ano em março de 2018. Desde então, a taxa não tinha sido alterada.

Veja mais:

Outras manchetes desta quarta-feira:

Últimas notícias