Rolou na 2ª: Bolsonaro ataca presidente da OAB e motim faz 57 mortos

Neste dia, o presidente voltou a ligar o jornalista Glenn Greenwald aos hackers presos: "Invasão de telefone é crime e ponto final"

Foto: Marcos Corrêa/PRFoto: Marcos Corrêa/PR

atualizado 29/07/2019 21:58

A segunda-feira (29/07/2019) foi marcada por mais uma polêmica do presidente Jair Bolsonaro (PSL). Desta vez, envolvendo o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Felipe Santa Cruz, e as circunstâncias da morte do pai dele, Fernando Augusto Santa Cruz de Oliveira, desaparecido durante a ditadura militar. Ao condenar a OAB e seu posicionamento na investigação do caso Adélio Bispo, autor do atentado à faca durante a campanha eleitoral, Bolsonaro falou: “Um dia, se o presidente da OAB quiser saber como é que o pai dele desapareceu no período militar, conto para ele. Ele não vai querer ouvir a verdade”, Para o presidente, Fernando Santa Cruz foi executado pela Ação Popular Marxista-Leninista, da qual ele fazia parte. O presidente da Ordem vai levar o caso ao Supremo Tribunal Federal (STF).

Leia mais sobre o assunto:

Na manhã desta segunda, pelo menos 57 detentos morreram – sendo que 16 foram decapitados – numa rebelião no Centro de Recuperação Regional de Altamira, no Pará. Foi uma briga entre facções criminosas rivais, o Comando Classe A (CCA) e o Comando Vermelho (CV). O governo do Pará, após levar o caso ao ministro da Justiça, Sergio Moro, vai transferir os líderes do motim para presídios federais.

Veja outras notícias sobre o tema:

Também foi notícia nesta segunda-feira:

 

Últimas notícias