Rio: ex-secretário vira réu por fraudes na compra de respiradores

Edmar Santos é peça-chave no processo de impeachment de Witzel. Equipamentos seriam para atender pacientes de coronavírus

atualizado 25/02/2021 19:22

Reprodução

Rio de Janeiro – O ex-secretário estadual de Saúde do Rio de Janeiro Edmar Santos virou réu por improbidade administrativa, acusado de fraudes na compra de mil respiradores para o tratamento de pacientes com Covid-19.

A decisão da juíza Georgia Vasconcellos da Cruz, da 2ª Vara da Fazenda Pública, do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, tem base em ação civil pública movida pelo Ministério Público.

“Recebo a inicial em relação ao réu Edmar Santos e também determino a sua citação”, afirmou a magistrada em um dos trechos. Seis empresas estariam envolvidas no esquema de corrupção.

O Tribunal de Contas do Estado  (TCE-RJ) apontou irregularidades na aquisição de mil ventiladores pela Secretaria Estadual de Saúde. Nenhuma das empresas cumpriu o prazo de entrega dos equipamentos, necessários para os leitos de UTI usados no combate ao coronavírus, mas receberam parte dos valores.

O órgão estima que o governo do estado gastou em contratos emergenciais mais de R$ 1 bilhão para combater a pandemia.

Peça-chave

Para concluir o processo de impeachment do governador afastado Wilson Witzel, Edmar Santos é peça-chave.  O ministro Benedito Gonçalves, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), derrubou apenas parte do sigilo do processo no qual é réu o governador afastado do Rio, Wilson Witzel.

Na decisão do último dia 17, o magistrado liberou 11 anexos nos quais Witzel é citado por Santos. Mas o Tribunal Especial Misto que julga o impeachment de Witzel ainda não marcou data para ouvir o ex-secretário e também interrogar o governador afastado.

A defesa de Edmar Santos ainda não foi localizada.

Últimas notícias