Vídeo: Aras diz que recusa em aceitar derrota é “afronta à democracia”

As declarações foram dadas em 8 de agosto, a jornalistas estrangeiros, mas a gravação só foi divulgada pelo PGR nesta segunda

atualizado 15/08/2022 16:45

Augusto Aras, PGR, segura a Constituição FederalMichael Melo/Metrópoles

O procurador-geral da República, Augusto Aras, publicou em seu canal do YouTube, nesta segunda-feira (15/8), um vídeo no qual defende que, caso o presidente Jair Bolsonaro (PL) eventualmente se recuse a passar faixa presidencial, será uma “afronta à democracia”.

Aras ainda defende a diferença entre “retórica” e “discurso jurídico”. As declarações foram feitas durante uma conversa entre Aras e jornalistas estrangeiros, no dia 8 de agosto, mas os trechos foram publicados por ele nesta segunda.

“Nem quero crer que após 1º de janeiro, se o presidente não lograr êxito na eleição, ele permaneça no Palácio no Palácio/Alvorada, porque isso seria uma afronta à democracia. O que nós temos no Brasil é uma retórica política própria de cada candidato e nós procuramos sempre distinguir a retórica do discurso jurídico”, pontuou.

O PGR explicou que, no caso de uma eventual negativa à transmissão de poder, o rito “é prosseguido pelo Congresso Nacional”.

Ele ainda afirmou que não se preocupa com o que pode acontecer, “porque todas as instituições brasileiras estão comprometidas”.

Publicidade do parceiro Metrópoles 1
Publicidade do parceiro Metrópoles 2
Publicidade do parceiro Metrópoles 3
Publicidade do parceiro Metrópoles 4
Publicidade do parceiro Metrópoles 5
Publicidade do parceiro Metrópoles 6
0

 

“De qualquer forma, dentro do clima de normalidade democrática, que eu acredito que teremos, não nos preocupa o que vai acontecer, porque todas as instituições brasileiras estão comprometidas com o processo democrático, cientes da responsabilidade com o país, de maneira que não me preocupa, nesse momento, nenhuma medida judicial, porque é uma questão de legitimidade imaterial”, argumentou Aras no vídeo.

Veja a fala:

No YouTube, Aras tem mandado recados relativos ao processo eleitoral deste ano, principalmente após falas do chefe do Executivo contra as urnas eletrônicas e o sistema de apuração.

No mesmo sentido, na última semana de julho, o procurador afirmou que o Ministério Público Federal (MPF) estará atento para a possibilidade de manifestações violentas no próximo 7 de setembro.

No ato do ano passado, insuflados pelo discurso do presidente, alguns simpatizantes e integrantes da base aliada do governo fizeram sérias ameaças a membros do Judiciário e a adversários políticos de Bolsonaro.

“Não deixamos que o 7 de setembro tivesse nenhum evento de violência. Eram movimentos espontâneos que espocavam em todo o país”, afirmou ele no vídeo.

Mais lidas
Últimas notícias