Ataque hacker: STJ proíbe servidores de levar notebooks pessoais à Corte

Segundo o tribunal, essa é uma entre as providências tomadas para impedir que um novo ataque seja efetuado contra os sistemas internos

atualizado 11/11/2020 19:20

Fachada do STJFELIPE MENEZES/METRÓPOLES

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) informou, nesta quarta-feira (11/11), que após nove dias do ataque hacker o sistema eletrônico da Corte está quase completamente recuperado. No entanto, funcionários foram proibidos de entrar com equipamentos eletrônicos pessoais na sede do tribunal.

“Entre as providências, está a proibição, neste momento – e até nova ordem –, de ingresso na sede do STJ de equipamentos pessoais de informática, como notebooks”, diz trecho do comunicado.

Outra medida tomada pela Corte foi pedir que os ministros e servidores alterassem as senhas de acesso ao sistema. “As orientações quanto às trocas das chaves de acesso por senhas fortes e com procedimentos de dupla autenticação – necessárias para o uso dos sistemas – estão sendo seguidas por todos, numa demonstração de compreensão da importância do papel de cada um para o reforço da segurança da infraestrutura”, informou o tribunal.

Segundo a nota do STJ, a partir dessa terça-feira (10/11) entraram em operação os serviços de consulta processual e consulta de jurisprudência. Também estão no ar o Portal da Intimação Eletrônica, a página da Intranet e toda a rede de telefonia. O serviço de peticionamento eletrônico também foi totalmente restabelecido.

“A autuação dos processos está sendo restabelecida gradativamente. Neste momento, a prioridade é para processos urgentes, tais como habeas corpus e mandados de segurança. Foram distribuídos aos ministros da Corte ou registrados ao presidente do STJ mais de 1.800 processos”, diz o texto.

O STJ foi alvo de um ataque hacker na terça-feira da semana passada, paralisando as atividades do tribunal e uma derrubada do endereço eletrônico da Corte. A Polícia Federal abriu um inquérito para apurar o caso.

Últimas notícias