Flávio Bolsonaro diz que não tomará vacina agora: “Vou seguir a ciência”

Apesar da declaração, o senador não teria permissão para receber o imunizante neste momento, pois não é idoso nem profissional da saúde

atualizado 19/01/2021 13:19

Flávio bolsonaro durante posse do novo ministro do turismo, Gilson Machado durante evento no planalto 1Rafaela Felicciano/Metrópoles

O senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) disse, no Twitter, que vai “seguir a ciência” e, por isso, não tomará a vacina contra a Covid-19 “neste momento”. A publicação foi feita na manhã desta terça-feira (19/1).

A declaração do senador e filho do presidente Jair Bolsonaro foi compartilhada junto a uma reportagem da rede de televisão CNN Brasil.

Segundo a matéria, um estudo conduzido por cientistas da Universidade Rockfeller, nos Estados Unidos, aponta que anticorpos de pacientes de Covid-19 podem ficar mais fortes até 6 meses após a infecção.

Flávio Bolsonaro disse que já foi contaminado pelo vírus e, por isso, tem “taxa de imunidade alta”. O senador concluiu que não recebeu recomendações médicas para tomar a vacina “neste momento”. “Vou seguir a ciência”, concluiu.

Apesar de afirmar que não tomará a vacina “neste momento”, dando a entender que seria por escolha, Flávio Bolsonaro não teria permissão para receber o imunizante no país na primeira etapa de vacinação. Segundo o Plano Nacional de Imunização, os grupos prioritários são trabalhadores da saúde e idosos com mais de 75 anos.

Posteriormente, vacinação deve chegar a idosos com mais de 60 anos e pessoas com doenças crônicas. Segundo o portal do Senado Federal, Flávio Bolsonaro nasceu em abril de 1981 e tem 39 anos.

Últimas notícias