Covid: 7 governadores e 20 parlamentares se infectaram em 2022

Onda de contaminação entre a classe política atinge também prefeitos, ministros e presidentes de instituições e de partidos

atualizado 20/01/2022 20:21

Cláudio CastroAline Massuca/ Metropoles

Em meio ao avanço da variante Ômicron no Brasil, diversos políticos anunciaram nos primeiros dias de 2022 que testaram positivo para a Covid-19 pela primeira ou pela segunda vez. Não há confirmação, todavia, de qual variante é a responsável pela onda de contaminações entre a classe política. Ao menos sete governadores e 20 parlamentares disseram ter sido infectados ou reinfectados pelo vírus neste ano, além de prefeitos e ministros.

Dos sete chefe dos Executivos estaduais, quatro foram reinfectados pela Covid nas primeiras semanas deste ano – Carlos Moisés (Santa Catarina), Helder Barbalho (Pará), Eduardo Leite (Rio Grande do Sul) e Cláudio Castro (Rio de Janeiro). O catarinense e o gaúcho já haviam contraído a doença em julho de 2020, enquanto o paraense teve em abril do mesmo ano, e o fluminense, em dezembro de 2020.

Os governadores Flavio Dino (Maranhão), Ratinho Junior (Paraná) e Romeu Zema (Minas Gerais) testaram positivo pela primeira vez.

Seis parlamentares anunciaram ter sido reinfectados. Os senadores Luis Carlos Heinze (PP-RS), defensor contumaz de medicamentos sem comprovação de eficácia para a doença, Jorginho Mello (PP-SC) e Kátia Abreu (PP-TO), e os deputados federais Marcio Marinho (Republicanos-BA), Tabata Amaral (PSB-SP) e Rejane Dias (PT-PI), que é primeira-dama do Piauí.

Heinze e Kátia tinham sido contaminados pela primeira em novembro de 2020. Mello, em abril do mesmo ano. A deputada piauiense havia pego pela primeira vez em agosto de 2020; o baiano, em julho de 2020; e a paulistana, em janeiro de 2021.

Contudo, a quantidade de congressistas que testaram positivo pela primeira vez é ainda maior. Ao menos 14 avisaram ter contraído o vírus neste ano — os senadores Paulo Rocha (AP), líder do PT; Esperidião Amin (PP-SC); Marcelo Castro (MDB-PI); Fabiano Contarato (PT-ES); e Mecias de Jesus (Republicanos-RR), além dos deputados Marcelo Freixo (PSB-RJ), líder da minoria; Alessandro Molon (PSB-RJ), líder da oposição; Isnaldo Bulhões, líder do MDB; Jhonatan de Jesus (Republicanos-RR), filho de Mecias; Jerônimo Goergen (PP-RS); Célio Moura (PT-TO); José Nunes (PSD-BA); Danilo Forte (PSDB-CE); e André Janones (Avante-MG), pré-candidato à Presidência da República, completam a lista até aqui dos que foram infectados pela primeira vez.

Prefeitos

Além deles, seis prefeitos testaram positivo para a Covid neste ano — três deles, pela segunda vez. Os prefeitos do Recife (PE), João Campos (PSB), que é namorado da deputada Tabata Amaral; de Caldas Novas (GO), Kleber Marra (Republicanos); e de Goiânia (GO), Rodrigo Cruz (Republicanos), se reinfectaram.

Campos teve em janeiro do ano passado e Cruz foi contaminado pela primeira vez em outubro de 2020, durante a campanha eleitoral. À época, era vice do então candidato a prefeito, Maguito Vilela (MDB), que morreu em decorrência de complicações da doença, depois de eleito. Marra teve em fevereiro de 2021.

Os prefeitos de Campo Grande (MS), Marquinhos Trad (PSD), de Araraquara (SP), Edinho Silva (PT), e de Guarulhos (SP), Guti (PSD), tiveram a doença pela primeira vez.

Ministros

O vírus também contaminou três ministros do governo Jair Bolsonaro neste ano. Um deles, o ministro do Trabalho e Previdência, Onyx Lorenzoni, testou positivo para a Covid pela segunda vez. A primeira vez foi em julho de 2020.

0

O ministro do Turismo, Gilson Machado Neto, e a ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, tiveram a doença pela primeira vez. Outro auxiliar de Bolsonaro que testou positivo pela primeira vez foi o secretário especial da Cultura, Mario Frias.

Outros casos

O ex-secretário de Comunicação da Presidência Fabio Wajngarten, que foi um dos primeiros casos de Covid brasileiro em março de 2020, pegou novamente a doença este ano. Ele fez parte da comitiva presidencial que foi a Miami, nos Estados Unidos, e retornou ao país com diversos infectados.

Três presidentes de partidos testaram positivo nos último dias: ACM Neto (BA), do DEM, Gilberto Kassab (SP), do PSD, e Roberto Jefferson (RJ), preso e atualmente licenciado do PTB, que foi reinfectado. Já o presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro Humberto Martins, e o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, também foram contaminados pela primeira vez.

O ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT), ex-candidato à Presidência em 2018 e atual candidato ao governo de São Paulo, também testou positivo para a Covid, assim como o ex-ministro Sergio Moro (Podemos), pré-candidato à sucessão de Bolsonaro nas eleições de outubro.

Mais lidas
Últimas notícias