Blog com notícias, comentários, charges e enquetes sobre o que acontece na política brasileira. Por Ricardo Noblat e equipe

18 anos Blog do Noblat

Olavo de Carvalho tira o dele da reta e diz que Bolsonaro já perdeu

O autoproclamado filósofo, guru da primeira família presidencial brasileira, antecipa o obituário do governo

atualizado 21/12/2021 11:08

Fiolósofo Olavo de Carvalho fumando Reprodução/Facebook

O autoproclamado filósofo Olavo de Carvalho, do bunker que há muitos anos o abriga nos Estados Unidos, antecipou o obituário do governo do presidente Jair Bolsonaro em entrevista que concedeu a um canal de aflitos bolsonaristas no YouTube.

“A briga já está perdida”, disse ele logo de início, escutado em silêncio pelos ex-ministros Ricardo Salles, do Meio Ambiente, investigado por contrabando de madeira, e Abraham Weintraub, da Educação, que escapou do Brasil com medo de ser preso.

Em seguida, comentou com rara franqueza:

“O Bolsonaro não é obedecido em praticamente nada, nada. Quem manda no Brasil é a turma do STF, da mídia, do show business. Acabou. E o pessoal das Forças Armadas? Assiste a tudo isso. Só acredita em neutralidade ideológica. Ou seja, no Brasil só existem duas possibilidades: ou você é comunista ou você é neutro. Não existe direita. Existe bolsonarismo”.

Foi adiante:

“O Brasil vai se dar muito mal. Não venham com esperanças tolas, porque a briga já está perdida. Existem chances de fazer voltar? Existe uma chance remota, mas só se o Bolsonaro acordar, mas eu não sei como fazê-lo acordar. Dizem que eu sou o ‘guru do Bolsonaro’. Isso é absolutamente falso. Conversei com ele somente quatro vezes na minha vida”.

“Então, a minha influência sobre o Bolsonaro é zero. Ele me usou como ‘poster boy’ [garoto propaganda, em livre tradução]. Me usou para se promover, para se eleger. E, depois disso, não só esqueceu tudo o que dizia como até os meus amigos que estavam no governo, ele tirou”.

Aos 74 anos, Carvalho foi o responsável pelas indicações ao governo de Ernesto Araújo, ex-ministro das Relações Exteriores, e Ricardo Vélez Rodríguez, ex-ministro da Educação. Sobre erros cometidos por Bolsonaro até aqui, Carvalho filosofou:

“Qual o poder que tem o presidente comparado com o do Congresso e do Supremo Tribunal Federal? Não tem nada. Ele castrou a si mesmo desde o primeiro dia. A primeira coisa que eu diria a ele era: ou você [ininteligível] nas duas primeiras semanas ou está perdido. Porque se você dá tempo para o adversário se fortalecer, ele se fortalece. Foi o que aconteceu”.

“Você acha que nas primeiras semanas alguém teria coragem de dizer de Bolsonaro o que dizem hoje? Não tinha, porque o pessoal sentia a força do apoio popular. Agora já não sente. Essa manifestação do 7 de setembro foi o maior desperdício de apoio popular que ele já recebeu. Você reúne o povão que diz: ‘Autorizo’. Autorizo o quê? E o que foi que ele fez? Fez nada”.

E concluiu:

“Tem algum problema com Bolsonaro, não sei qual é. Agora, não tem outro em quem votar”.

Um bolsonarista que acompanhou a entrevista de Carvalho escreveu em sua conta no Twitter:

“Correto, aí o que o Bolsonaro fez? Soltou a mão do povo e segurou a mão do centrão. Virou as costas para os apoiadores que o criticavam, e com razão, adjetivou de direita burra, pirralhos, e, ao invés de abrir um diálogo, pediu para que quem tivesse descontente que votasse no Hadad”.