28º feminicídio: mulher morre após ser agredida pelo marido no DF

Edson dos Santos Justiniano Gomes, de 43 anos, está preso. A mãe da vítima disse que ele chegou em casa embriagado e agrediu as duas

iStockiStock

atualizado 02/11/2019 8:57

Uma jovem de 26 anos foi morta por espancamento, nessa sexta-feira (01/11/2019), no Morro da Cruz, em São Sebastião. O suspeito do crime é o marido dela, Edson dos Santos Justiniano Gomes, de 43 anos, que foi preso pela Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF).

O corpo de Renata Alves dos Santos foi encontrado pelo Corpo de Bombeiros Militar do DF (CBMDF), na residência da família, já sem vida.

O agressor relatou à corporação que a esposa havia caído e batido com a cabeça na quina de uma mesa. Os militares constataram que ele apresentava sinais de embriaguez.

A mãe da vítima chamou a polícia e ligou para o CBMDF. Ela contradisse a informação do genro e afirmou que ele teria chegado em casa bêbado e agredido as duas. Os bombeiros deram voz de prisão ao agressor e o detiveram até a chegada da polícia. Esse é o 28º caso de feminicídio no DF em 2019.

Neste 2019, o Metrópoles iniciou um projeto editorial para dar visibilidade às tragédias provocadas pela violência de gênero. As histórias de todas as vítimas de feminicídio do Distrito Federal serão contadas em perfis escritos por profissionais do sexo feminino (jornalistas, fotógrafas, artistas gráficas e cinegrafistas), com o propósito de aproximar as pessoas da trajetória de vida dessas mulheres.

O Elas por Elas propõe manter em pauta, durante todo o ano, o tema da violência contra a mulher para alertar a população e as autoridades sobre as graves consequências da cultura do machismo que persiste no país.

Desde 1° de janeiro, um contador está em destaque na capa do portal para monitorar e ressaltar os casos de Maria da Penha registrados no DF. Mas nossa maior energia será despendida para humanizar as estatísticas frias, que dão uma dimensão da gravidade do problema, porém não alcançam o poder da empatia, o único capaz de interromper a indiferença diante dos pedidos de socorro de tantas brasileiras.

Últimas notícias