metropoles.com

Entenda como o consumo excessivo de álcool “destrói” seu projeto verão

O consumo de álcool provoca uma série de mudanças no organismo, incluindo a ressaca, mas medidas simples ajudam a lidar com a situação

atualizado

Compartilhar notícia

Getty Images
imagem colorida de homem deitado no sofá de ressaca - Metrópoles
1 de 1 imagem colorida de homem deitado no sofá de ressaca - Metrópoles - Foto: Getty Images

Finalmente, o famoso “sextou” bateu à porta! Depois de uma semana inteira de trabalho e estudo, chegou a tão desejada sexta-feira. A data tem como sinônimo o merecido descanso — e por que não um happy hour ou um drinque para relaxar?

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), não existe uma dose segura de álcool, de forma que, no dia a dia, a recomendação é nenhuma dose. Mas, em encontros sociais com amigos e familiares, há quem não resista e acabe passando do ponto.

O consumo de bebidas alcoólicas provoca, no entanto, mudanças no funcionamento do nosso organismo. Claro que tudo isso vai depender de alguns fatores, como quantidade ingerida; se é uma ingestão habitual ou esporádica; idade; sexo; entre outros.

Médica nutróloga e cofundadora da ONG Obesidade Brasil, Andrea Pereira pontua os principais efeitos e consequências do álcool no indivíduo:

  • Cardiovasculares: ele aumenta a pressão arterial e pode causar danos ao coração e ataques cardíacos;
  • Cerebral: ele reduz a concentração, o julgamento, a memória; altera o humor; aumenta o risco de acidente vascular cerebral e de desenvolver demência;
  • Fígado: aumenta o risco de desenvolver câncer de fígado e de cirrose;
  • Estômago: aumenta o risco de úlceras, câncer de estômago e intestino;
  • Hormonal: redução dos níveis de testosterona nos homens, da contagem do esperma e da fertilidade. Nas mulheres, altera o ciclo menstrual.

No caso de pessoas que praticam atividade física e estão buscando ganhar massa magra, Pereira adverte: “O consumo frequente e abusivo do álcool pode levar à redução da performance, prejudicando o ganho de massa muscular. Os seus efeitos no sistema nervoso central podem desestimular os treinamentos também”.

Experiência indesejada

Outro efeito bastante famoso e comum depois de uma noite de festa é a ressaca. “Ou seja, a experiência de sintomas desagradáveis após o consumo de álcool. Normalmente, quanto mais você bebe, pior será a ressaca. Algumas pessoas ficam de ressaca depois de apenas uma bebida. Outros podem beber muito e nem sentir ressaca. Depende do seu corpo e de como ele processa o álcool”, explica Pereira. 

Como o consumo de álcool mexe com o funcionamento do corpo, alguns sintomas são característicos da ressaca: dor de cabeça; desidratação, seguida de sede, tontura e zonzeira; mal-estar, como perda de apetite e problemas de concentração e memória; náusea, vômito e dor de barriga; tremores; e cansaço.

Infelizmente, como pontua Pereira, não existe uma cura para a ressaca. “Tudo o que você pode fazer é tomar medidas para aliviar os sintomas e esperar até que desapareçam”, afirma. 

Calma, nem tudo está perdido

Contudo, você não precisa deixar de socializar e curtir a noite com os amigos e familiares. Algumas medidas simples podem ser tomadas para evitar a indesejada experiência e minimizar os efeitos do álcool no organismo.  

“Evitar beber mais que um drinque, no caso das mulheres, e dois drinques dos homens, não beber mais do que você sabe que seu corpo pode aguentar. Não beba com o estômago vazio, coma antes e durante o período de ingestão do álcool. Beba água enquanto consome álcool e antes de dormir”, exemplifica a profissional. E, apesar do que a cultura popular indica, “não beba mais álcool, isso fará você se sentir pior”. 

O educador físico e personal Vitor Vicente destaca ainda outro erro comum cometido pelas pessoas com ressaca: comer doce ou comidas gordurosas. “Seu corpo já está sobrecarregado sintetizando todo aquele álcool que você tomou no dia anterior. Se você ingerir outro alimento de difícil absorção, o corpo vai sentir. O certo é comer comidas mais leves e tomar bastante água, soro ou isotônico”, detalha. 

Experiente em emagrecimento e longevidade saudável, a médica Mariana Arraes recomenda o consumo de alimentos ricos em vitaminas do complexo B e ômega 3, como oleaginosas, peixes, folhas verde-escuras e leguminosas, além de chás como boldo, hibisco e gengibre e a clássica água de coco. 

“Outra sugestão para ajudar o fígado a processar melhor o efeito do álcool é o jejum intermitente, que pode ser complementado com exercícios aeróbicos”, indica Arraes. Há quem acredite que, no dia seguinte, fazer exercício intenso permitirá uma recuperação melhor, eliminando o álcool do corpo, contudo, isso não é comprovado.  

“Se você conseguir, pode fazer exercícios de baixa intensidade. Mas, tudo vai depender do quanto de álcool você ingeriu e de como está se sentindo. Uma caminhada, corrida lenta, um passeio de bicicleta, um domingo no Eixão são boas opções”, comenta Vicente.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comVida & Estilo

Você quer ficar por dentro das notícias de vida & estilo e receber notificações em tempo real?

Notificações