*

A academia, normalmente, é o ponto de partida para quem quer começar uma vida saudável. Entre as alternativas disponíveis nesses locais, o treinador pessoal é uma das que melhor ajuda atingir metas e resultados.

Mas, a escolha do profissional requer atenção, pois existem falsos professores, que não possuem formação na área.

O educador físico e professor da Universidade de Brasília André Luiz Reis explica que a escolha de um professor deve ser recheada de cuidado. “Além de terem conhecimento sobre funcionalidade da atividade física e questões biológicas, eles também devem estar atentos a aspectos psicológicos e emocionais”, completa.

Por isso, na hora da contratação de um personal trainer é preciso estar atento para evitar problemas, riscos e lesões, algumas permanentes e outras até fatais.

Veja uma lista de precauções na hora de contratar um treinador pessoal:

1. Se certificar de que a pessoa escolhida é um profissional de Educação Física registrado no Conselho Regional de Educação Física do seu estado
De acordo com o presidente do Conselho do DF, Patrick Novaes, este é o primeiro e principal passo. “O registro só é homologado e fica ativo para aquela pessoa que obteve o título de bacharelado reconhecido pelo conselho regional e que está cumprindo com todos os requisitos exigidos”, completou. Para verificar no Distrito Federal, basta acessar o site da instituição e pesquisar nome do profissional ou número de registro.

2. Conversar com outros alunos do profissional para obter referências
De acordo com especialistas, é importante ouvir opiniões e saber como tem sido a atuação do treinador pessoal. Além do conhecimento técnico, se destaca no mercado aquele que tem metodologias e que utiliza as ferramentas adequadas. Além disso, é fundamental saber equilibrar os treinos de acordo com o perfil e a necessidade do aluno.

3. Realizar uma pesquisa de mercado
É importante conversar com outros profissionais da área para entender métodos de atuação, saber das experiências e se eles estão atualizados com as novidades do mercado. “Procure analisar a formação básica, quais cursos realizou e quais clientes já teve. O aluno precisa se assegurar de que o profissional tem condições para atuar de forma séria e específica”, reforçou André Luiz Reis, da UnB. Confiança e empatia também são importantes no momento da escolha.

4. Verificar se o local de treinamento escolhido (caso seja estúdio ou academia) está registrado no Conselho Regional de Educação Física do seu estado
Locais sem registro são ambientes em situação irregular e ilegal, e oferecem graves riscos a sua saúde e bem estar. De acordo com Patrick Novaes do Conselho Regional de Educação Física do Distrito Federal as empresas regulares são obrigadas a exibirem, em local de fácil acesso e leitura, o Certificado de Licença expedido pela instituição e devem estar com seus registros ativos. Para efetuar a busca no DF, basta acessar o site.



COMENTE

 
MalhaçãoVerão 2017personal trainer

Leia mais: Bem-Estar