metropoles.com

Saiba quais são as dietas mais indicadas para perder peso em 2023

O emagrecimento pode ser feito de forma saudável. Não é recomendado diminuir a alimentação de forma abrupta e passar várias horas sem comer

atualizado

Compartilhar notícia

MoMo Productions
Homens em frente a mesa com ingredientes saudáveis para cozinhar
1 de 1 Homens em frente a mesa com ingredientes saudáveis para cozinhar - Foto: MoMo Productions

Em tempos de renovar metas, estipular planos e fazer promessas, é comum que perder peso esteja no planejamento de algumas pessoas. Principalmente se houve exagero na comida e bebida durante as festas de fim de ano.

Porém, emagrecer vai além das calorias e de parar de comer. A nutricionista Talyta Machado diz que mais importante do que comer menos é comer com qualidade.

“Não é só reduzir calorias. Muitas pessoas estão acima do peso e nem comem muito durante o dia, mas a saúde delas está ruim. Comer alimentos com compostos fitoquímicos, por exemplo, dá maior qualidade de vida ao paciente”, constata a nutricionista.

Na busca por um cadápio que contemple várias opções e traga benefícios para a saúde que vão além da perda de peso, cientistas já criaram dietas com efeitos comprovados em estudos clínicos. Confira seis dos regimes que podem te ajudar a conquistar as metas de começo de ano:

1. Dieta mediterrânea

Recomendada frequentemente pelos médicos, a dieta mediterrânea é rica em frutas, vegetais e grãos integrais. Ela também envolve laticínios, carne vermelha, peixes, nozes, sementes e leguminosas.

É aconselhada, de acordo com Talyta, principalmente para pessoas com problemas cardiovasculares e para a saúde mental. “Gosto dela por priorizar alimentos anti-inflamatórios e por trazer perda de peso saudável e a longo prazo”, explica.

2. Dieta da longevidade

A nutricionista afirma que o regime é recente, mas muito parecido com o previsto na dieta mediterrânea. Criada por pesquisadores da Universidade do Sul da Califórnia, nos Estados Unidos, a dieta de longevidade sugere jejum de 12 horas por dia e redução drástica das proteínas de origem animal.

0

3. Jejum intermietente

Consiste em comer cerca de 500 a 800 calorias por dois dias na semana e seguir uma dieta saudável nos outros cinco restantes. Requer um jejum de 16 horas todos os dias e alimentação saudável dentro de uma janela de oito horas, normalmente entre as 10 horas e 18 horas.

Talyta chama a atenção para não ultrapassar 16 horas de jejum e respeitar o ciclo e a fome. Algumas pessoas terminam o período de jejum e pensam que podem comer o que quiserem, mas não é bem assim. Quando não estiver jejuando, a nutricionista afirma que o paciente deve consumir vegetais, proteínas e grãos integrais.

Ela ensina que o ideal é ficar sem comer no período noturno para não interferir com o relógio biológico. “O corpo tem uma tendência a digerir melhor e produzir melhor os hormônios de processamento durante o dia”, diz.

4. Dieta psicobiótica

De acordo com estudos, a dieta, que envolve comer muita fibra e alimentos fermentados, ajuda a diminuir o estresse e aumentar a qualidade do sono. A abordagem envolve comer de seis a oito porções de frutas e vegetais ricos em fibras prebióticas, como cebola, alho-poró, repolho, maçã e banana, por dia.

Na teoria, a nutricionista diz que a dieta funciona muito bem. Na prática, o regime exige alguns exames prévios e não é recomendado para pessoas com o quadro de disbiose e inflamação intestinal.

As condições são agravadas por alimentos que fermentam no estômago, como iogurte, leguminosas e probióticos. Logo, é preciso antes avaliar o intestino do paciente para fazer um plano de emagrecimento saudável.

5. Dieta DASH

A Dietary Approaches to Stop Hypertension, inglês para Abordagens dietéticas para parar a hipertensão, prioriza reduzir a pressão arterial. Se combinada com exercícios, a dieta ainda ajuda na perda de peso.

Trata-se, basicamente, de se alimentar bem. A DASH se assemelha com as dietas mediterrânea e de longevidade, que são focadas no consumo de mais vegetais. “Ela tem o diferencial de inserir carnes brancas. É um plano válido”, diz a nutricionista.

6. Dieta volumétrica

Menos restritiva do que outras dietas, a volumétrica inclui maiores quantidades de alimentos saudáveis e de baixa caloria. As opções são divididas em quatro categorias para atingir a meta de calorias do dia, que varia para cada paciente.

Talyta afirma que a dieta volumétrica trabalha a questão do comportamento alimentar da pessoa que sente a necessidade de mastigar muito, e é uma proposta interessante para que o indivíduo se sinta mais saciado.

Ela explica que essa é uma boa dieta para associar com outras opções. “Por exemplo, dá para misturar com a mediterrânea, low carb. Essa mudança permite melhorar a qualidade do cardápio e mudar o paladar, não olhando só para a lista de alimentos e quantidades”, analisa Talyta.

A nutricionista pede que as dietas sejam feitas sempre com o acompanhamento especializado, e lembra que planos alimentares não funcionam da mesma maneira para todas as pessoas.

“Não é todo mundo que vai conquistar o emagrecimento que deseja, porque cada um tem necessidades específicas. Não é só caloria, e sim uma estratégia para mudar o hábito alimentar, que é um dos pontos essenciais para emagrecer”, afirma.

Receba notícias do Metrópoles no seu Telegram e fique por dentro de tudo! Basta acessar o canal: https://t.me/metropolesurgente.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comSaúde

Você quer ficar por dentro das notícias de saúde mais importantes e receber notificações em tempo real?

Notificações