Saiba quais os exercícios ideais para prevenir e tratar a pressão alta

Especialistas dão orientações detalhadas para reduzir a pressão arterial em pessoas com hipertensão, pressão normal alta e pressão normal

atualizado 24/03/2021 8:32

Pessoas correndoFitsum Admasu/Unsplash

Existem atividades físicas específicas para cada pessoa de acordo com o nível de pressão arterial, segundo um documento publicado nessa quarta-feira (24/3) no Jornal Europeu de Cardiologia Preventiva, da Sociedade Europeia de Cardiologia (ESC, na sigla em inglês).

É o primeiro consenso personalizado da ESC sobre o exercício mais eficaz para baixar a pressão arterial. Embora até hoje fosse amplamente aceito apenas que atividade física reduz a pressão arterial, as recomendações médicas se concentravam apenas na quantidade de exercício por semana, sem considerar este fator.

0

Segundo um dos autores do documento, o professor Henner Hanssen, da Universidade de Basel, na Suíça, a ideia principal é dar orientações detalhadas sobre como reduzir a pressão arterial em pessoas com hipertensão, pressão arterial normal alta e pressão arterial normal.

“Através da redução da pressão arterial, podemos reduzir o risco de ataque cardíaco, derrame e morte por doenças cardiovasculares – passando assim mais anos de vida com boa saúde”, explicou.

O exercício de cada um

Para cada um dos três grupos, o artigo descreve a primeira prioridade de exercício para reduzir a pressão arterial, seguida por alternativas que ainda conseguem redução, mas em menor grau.

Para pessoas com hipertensão (pressão arterial de pelo menos 140/90 mmHg), o exercício aeróbico é o método mais eficaz. Atividades como caminhada, corrida, ciclismo ou natação são muito indicadas. “Em pessoas com hipertensão, a redução da pressão arterial que pode ser alcançada com exercícios aeróbicos é a mesma, ou até um pouco mais, do que tomar um único medicamento anti-hipertensivo”, analisou Hanssen.

Naqueles com pressão arterial normal alta (130-139 / 85-89 mmHg), o treinamento de resistência dinâmica é a primeira prioridade. Isso se refere ao treinamento de força normalmente envolvendo pelo menos seis grandes grupos de músculos, onde a contração muscular resulta em movimento – por exemplo, levantamento de pesos, agachamentos e flexões.

Já para aqueles com pressão arterial normal (menos de 130/84 mmHg), o benefício vem mais com o treinamento de resistência isométrica. Isso envolve a contração estática dos músculos – por exemplo, o exercício de preensão manual. “Pessoas com pressão arterial normal, mas com risco aumentado de desenvolver hipertensão, deve, ser particularmente motivadas a manter seus níveis baixos”, alertou.

Se livre dos riscos

Segundo os especialistas, um em cada quatro ataques cardíacos é causado por pressão alta. Estima-se que até 2025, cerca de 60% da população mundial terá hipertensão.

Indivíduos obesos têm grande probabilidade de desenvolver a condição se a obesidade persistir ao longo dos anos. Pessoas saudáveis com pais hipertensos e mulheres que tiveram pressão alta durante a gravidez (hipertensão gestacional) também devem acender o sinal de alerta.

A prática de exercícios, como descreve o documento da Sociedade Europeia de Cardiologia pode adiar ou até mesmo prevenir a hipertensão, fator de risco para doenças cardiovasculares (CV), como doença coronariana, infarto do miocárdio e acidente vascular cerebral. O tratamento da hipertensão e suas complicações hoje é um grande desafio socioeconômico e de saúde.

A prática, salientam os especialistas, deve ser feita regularmente para manter os benefícios. “Para a maioria dos exercícios, o efeito de redução da pressão arterial dura cerca de 24 horas, semelhante à medicação, então é melhor ser ativo todos os dias, se possível”, concluiu o professor Hanssen.

Últimas notícias