metropoles.com

Ouvir música favorita ajuda no tratamento de pacientes com Alzheimer

De acordo com pesquisa da Universidade de Toronto, exposição repetitiva à música forma novas rede neurais em pacientes com a condição

atualizado

Compartilhar notícia

Andrew Bret Wallis/Getty Images
ilustração colorida: idoso com peças de quebra-cabeça na testa - Metrópoles
1 de 1 ilustração colorida: idoso com peças de quebra-cabeça na testa - Metrópoles - Foto: Andrew Bret Wallis/Getty Images

Pesquisadores da Universidade de Toronto e da rede de hospitais católicos Unity Health Toronto, no Canadá, conseguiram provar que ouvir repetidamente uma mesma música ajuda a melhorar o funcionamento do cérebro de pacientes com sintomas iniciais de Alzheimer.

A equipe relatou alterações positivas no cérebro de participantes do experimento, notadamente no córtex pré-frontal, o centro de controle do cérebro e onde ocorrem os processos cognitivos mais profundos.

A música contribui para a neuroplasticidade cerebral, formando novas redes de neurônios nos voluntários. A grosso modo, a neuroplasticidade é a capacidade do cérebro de estabelecer novos caminhos para realizar funções que ele já dominava.

“Temos novas provas de que, se a música tem um significado especial para uma pessoa como, por exemplo, a música que ela dançou em seu casamento, ela é capaz de estimular a conectividade neural de forma a manter níveis mais elevados de funcionamento”, disse Michael Thaut, autor do trabalho.

Chave de acesso

Depois de duas semanas ouvindo suas músicas preferidos, os voluntários relataram ganhos em funções relacionadas à memória. “Quer você seja um músico profissional ou nunca tenha sequer tocado um instrumento, a música é uma chave de acesso à sua memória, ao seu córtex pré-frontal”, explicou Thaut.

A pesquisa faz parte de um estudo maior do mesmo grupo de pesquisadores. Os primeiros trabalhos identificaram que o cérebro consegue codificar e preservar memórias musicais em pessoas com declínio cognitivo em fase inicial.

Agora, os pesquisadores planejam replicar o estudo para um grupo maior de voluntários. Eles querem desvendar se é a música ou o conteúdo autobiográfico que provoca as mudanças.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comSaúde

Você quer ficar por dentro das notícias de saúde mais importantes e receber notificações em tempo real?

Notificações